Cloroquina no tratamento da Covid-19 é “perigoso” e “carece de evidência científica”, dizem infectologistas

Nota da Sociedade Brasileira de Infectologia afirma que a droga, quando aplicada no tratamento da Covid-19, “vem na contramão de toda a experiência mundial e científica com esta pandemia”

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgou uma nota, nesta segunda-feira (18), para afirmar que defender o uso da cloroquina contra a Covid-19 "não apenas carece de evidência científica" como também é "perigoso, pois tomou um aspecto político inesperado". A informação é do portal G1. 

O documento ainda destaca que a droga, quando aplicada no tratamento da Covid-19, nos estágios iniciais ou não da doença, “vem na contramão de toda a experiência mundial e científica com esta pandemia”. A cloroquina é utilizada contra malária e lúpus.

"A escolha desta terapia, ou mesmo a conotação que a Covid-19 é uma doença de fácil tratamento, vem na contramão de toda a experiência mundial e científica com esta pandemia. Este posicionamento não apenas carece de evidência científica, além de ser perigoso, pois tomou um aspecto político inesperado", diz a nota dos infectologistas. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247