1964 X 2016

A curiosidade é que, no século passado, mesmo com quepes, armas e botinas, foram necessários 17 Atos Institucionais para derrubar João Goulart e consolidar o golpe. No Brasil de 2016, no curto espaço de quatro meses com as armas da traição e hipocrisia a presidenta Dilma foi pra casa com apenas 3 Atos Parlamentares

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Quem não tem cão caça com gato, quem não tem gato caça com rato, quem não tem rato cassa com ato". Atribuída ao humor ferino do compositor Juca Chaves, a frase se referia aos Atos Institucionais que moldaram o regime militar implantado em 64. Os Atos, assinados pelos ditadores de plantão tiveram como objetivo banir do cenário político figuras que se opunham ao violento rompimento das instituições democráticas; introduzir eleições indiretas e o mais repressor deles, o AI 5, de dezembro de 1968, fechava de vez o regime, concedendo poderes ilimitados aos generais ditadores, com a participação efetiva de políticos da direita, aplausos da elite empresarial e a devida proteção da imprensa hegemônica. Pretexto utilizado e divulgado à exaustão pelo governo golpista, via mídia conivente: combater a CORRUPÇÃO e a subversão

Pausa para falar do golpe à presidenta Dilma. Conforme 1964, a elite empresarial, políticos da direita e imprensa hegemônica no dia 17 de abril de 2016 fizeram reunir os parlamentares da Câmara Federal e instituíram o ATO PARLAMENTAR NÚMERO 1, autorizando o Senado dar prosseguimento ao 'processo de impeachment'. Quatro meses depois, o senado Federal reunido em plenário decretou o ATO PARLAMENTAR NÚMERO 2 aceitando a denúncia contra a presidenta e no dia 31 de agosto os mesmos senadores através do ATO PARLAMENTAR NÚMERO 3 destroçaram 54 milhões de votos e destituíram a presidenta Dilma Rousse ff, eleita pela vontade democrática dos brasileiros. Pretexto utilizado pelos golpistas e divulgado à exaustão pela mídia conivente: CORRUPÇÃO

A curiosidade é que, no século passado, mesmo com quepes, armas e botinas, foram necessários 17 Atos Institucionais para derrubar João Goulart e consolidar o golpe. No Brasil de 2016, no curto espaço de quatro meses com as armas da traição e hipocrisia a presidenta Dilma foi pra casa com apenas 3 Atos Parlamentares.

Outra curiosidade, é que todos os golpistas, como se fossem gerados a partir de um mesmo embrião, nunca se contentam em apenas derrubar o governante ELEITO PELO POVO. Eles sempre dão um jeito de remover todas as pedras do caminho para manter em suas mãos as rédeas do poder. Em 64, algumas pedras como Brizola, Arraes, e o próprio Goulart foram remetidos num rabo de foguete para fora do Brasil.
Em 2016, uma pedreira que atende pelo nome de Luiz Inácio Lula da Silva está sendo destruída por explosivos montados na Operação Lava jato e com a pólvora adicional do ATO JURÍDICO NÚMERO 1 determinado pelo Tribunal Federal da 4ª Região. A manifestação dos magistrados joga mais poderes nas mãos do juiz famoso, quando defende que a Operação não precisa seguir as regras dos processos comuns.
A decisão, repudiada no mundo jurídico, ecoou na voz do processualista Afrânio Jardim: " Estamos perdidos. Acabou o estado de direito no Brasil. Não haverá mais segurança jurídica. A comunidade jurídica tem que se rebelar"

Em todas linhas e entrelinhas de todos os golpes, a presença ululante do fascismo e seu puritanismo recheado de mentiras e falsidades.
Em tempos de golpe brasileiro não custa nada registrar as palavras do pensador italiano Norberto Bobbio: "O fascista fala o tempo todo em corrupção. Fez isso na Itália em 1922, na Alemanha em 1933 e no Brasil em 1964. Ele acusa, insulta, agride como se fosse puro e honesto. Mas o fascista é apenas um criminoso, um sociopata que persegue carreira política..."

Em tempos bicudos para a democracia brasileira, indispensável relembrar as palavras do nonagenário jurista mineiro Heráclito Fontoura Sobral Pinto nas alturas dos palanques das Diretas Já!: " TODO PODER EMANA DO POVO E EM SEU NOME DEVE SER EXERCIDO. ESTA É A MINHA MENSAGEM; ESTE É O MEU DESEJO; ESTE É O MEU PROPÓSITO.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247