A 77ª Assembleia Geral da ONU é palco do confronto mundial

Durante a realização da Assembleia Geral da ONU, as potências ocidentais fizeram discursos agressivos, atiçando a fogueira dos conflitos internacionais

www.brasil247.com - Plenária da Assembleia Geral da ONU
Plenária da Assembleia Geral da ONU (Foto: ONU)


José Reinaldo Carvalho, 247 - A Organização das Nações Unidas, criada no imediato pós-guerra para favorecer a construção da paz mundial, por meio do multilateralismo e do diálogo, frequentemente não consegue cumprir sua missão devido à instrumentalização que sofre pelos Estados Unidos, país que, sendo uma superpotência, julga-se destinado a exercer hegemonia infinita como se fora o dono do mundo.

Por isso mesmo, nem sempre a Assembleia Geral, o mais visível evento em que os líderes mundiais ou seus representantes se pronunciam sobre os temas mais candentes da situação política internacional, se realiza em ambiente favorável ao diálogo e ao entendimento, mormente quando o mundo enfrenta graves crises. 

A 77ª Assembleia Geral, cujos debates foram iniciados na última terça-feira (20), está sendo o palco de uma verdadeira confrontação mundial. De onde deveria sair uma proposta eficiente de paz, emitem-se os mais ruidosos sinais de guerra. 

É o que se observa nos discursos do chefe da Casa Branca, Joe Biden, do ocupante do Palácio Eliseu, Emmanuel Macron, do chanceler tedesco, Olaf Scholz, e da nova inquilina de Downing Street, 10, Liz Truss. Todos seguiram a partitura de uma nota só e, do púlpito das Nações Unidas, fizeram pronunciamentos com um fio condutor único: a guerra das potências ocidentais contra a Rússia, escondendo-se sob  pretexto de que o país das noites brancas ameaça o mundo com a hecatombe nuclear. Biden foi mais além e não deixou de hostilizar a China e o Irã, alargando o espectro do seu confronto. À margem, por demagogia e para conquistar aliados, defendeu a reforma do Conselho de Segurança da ONU e procurou colocar-se na vanguarda da luta para resolver a crise climática e promover os direitos humanos, adotando a mesma visão fragmentadora tão agradável ao "neoliberalismo progressista" do Partido Democrata e de setores da "esquerda cirandeira" latino-americana, em processo de proliferação no Brasil. Aqui estes setores são acariciados pela Open Society, o NED e multimilionários nacionais que financiam viagens para cursos de formação de lideranças políticas no exterior. 

A Assembleia Geral deste ano contou com um patético discurso via teleconferência de Volodymyr Zelensky, fantoche das potências ocidentais, que fez um arrazoado delirante, jactando-se do direito de impor pré-condições para reatar as negociações com a Rússia e de exigir punição ao chefe do Kremlin. Como ocorre todos os dias, foi incensado pela mídia, já escolada nas artes de aplaudir os massacres perpetrados pelos Estados Unidos contra países soberanos. 

É óbvio que em tal cenário não cabia à Rússia senão defender-se e explicar com informações criteriosas e argumentos fundamentados, as razões pelas quais desencadeou a operação militar especial a partir de 24 de fevereiro último. 

Muitos analistas sugerem que o mundo está voltando à guerra fria, mas esquivam-se de comentar que do ponto de vista dos argumentos e ações dos Estados Unidos e seus aliados, os povos e nações independentes ainda se encontram sob os efeitos dos ataques - golpes, intervenções, guerras - próprios do período do imediato pós-guerra fria. 

As potências imperialistas ocidentais, tendo à frente os Estados Unidos, que se apresentam como defensores  da democracia, na verdade atacaram o princípio democrático da igualdade soberana dos Estados. Essas potências transformaram em norma o militarismo, a expansão da Otan para perto das fronteiras da Rússia, as agressões militares, as guerras preventivas e as provocações em todas as áreas do globo, pondo em risco o princípio da segurança coletiva.  

No passivo de crimes dessas potências estão ações como o bombardeio perpetrado pela Otan contra a Iugoslávia, as guerras contra o Afeganistão, o Iraque, a Líbia e a Síria, assim como as chamadas "revoluções coloridas", entre estas o golpe na Ucrânia em 2014 e o massacre das populações russófonas nesse país, e a dita "primavera árabe", assim como golpes na América Latina. 

Voltando à 77ª Assembleia Geral da ONU, é gratificante constatar que em contraste com os citados  pronunciamentos agressivos, foram feitas propostas edificantes, como a do México de criar um comitê da ONU para favorecer a paz na Ucrânia. É de ressaltar tambem, como contribuições à paz, os discursos dos repreentantes de Cuba, China, Venezuela e Bolívia, entre outros, defendendo o mundo multipolar e a solução pacífica dos conflitos internacionais. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email