A aceleração do tempo na guerra 4.0 (EUA-OTAN x Rússia)

Se o conflito EUA-OTAN x Rússia se alongar no tempo, esses desdobramentos se estenderão para as questões econômicas das nações, com reflexos para as eleições

www.brasil247.com -
(Foto: Ag.Brasil)


Por Roberto Moraes

É importante observar a aceleração dos tempos presentes na disputa EUA-OTAN x Rússia, em relação às guerras anteriores. É um processo que pode ajudar a explicar a disputa e a perda da racionalidade que pode estar delineando um quadro tenso de uma pré-3ª Guerra.

A Ucrânia foi o estopim. Tudo se desenrola numa velocidade alucinante — bem distinto dos tempos da 2ª GM —, características do mundo digital que alimenta a guerra física, financeira e de sanções, como elementos da Guerra 4.0. (Ver artigo anterior: Três principais elementos da disputa Rússia x OTAN).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não estou me referindo apenas a velocidade de informações e contrainformações — isso já havia antes com comunicação via rádios — mas, o "time" que as nações que vão sendo envolvidas no conflito e no tempo que têm para digerir e tomar decisões, que de forma espiral pode seguir envolvendo outras nações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se o conflito EUA-OTAN x Rússia se alongar no tempo, esses desdobramentos se estenderão para as questões econômicas das nações, com reflexos para as eleições nacionais de vários e importantes países. Tudo isso tende a retroalimentar e ampliar espacialmente o conflito.

A guerra 4.0 e as eleições no Brasil

Essas hipóteses sacodem o tabuleiro e produzem instabilidades e possibilidades para que as relações internacionais e a crise EUA-OTAN x Rússia afetem as eleições no Brasil previstas para daqui a menos de sete meses. Ainda não vi e nem li comentários sobre essas hipóteses, mas creio que elas precisam ser consideradas e avaliadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No caso do prolongamento do conflito e expansão espacial para outros pontos da Europa é evidente que os candidatos das eleições na França e no Brasil (entre outros países) terão que lidar mais densamente com o tema das relações externas e muito provavelmente também e sempre com posições fortemente confrontantes.

No caso de Bolsonaro, o atual presidente já começou a produzir falas conflitantes e em dissimulação sobre a guerra como faz tempo todo em outros assuntos. Não é difícil supor que Bolsonaro queira usar o tema para esconder seus graves problemas de administração e os poucos resultados que tem para a apresentar na busca de reeleição, mesmo não tendo liderança reconhecida ao nível global.  

Bolsonaro usaria essa nova dissimulação não apenas como uma desculpa para as dificuldades de seu período de mandato, que mistura ainda a Pandemia neste bojo. Assim, pode-se ainda imaginar que o presidente poderia tentar reapresentar o “seu governo militar” como o mais apropriado ao tempo presente, permeado de conflito entre nações, embora o que se perceba ao nível global uma demanda ansiosa, por lideranças que possam intermediar os conflitos, atributo que Bolsonaro nunca teve, ao contrário daquilo que é reconhecido globalmente, em seu principal opositor, Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Entre o medo e o horror com a guerra e a demanda por uma liderança forte e moderada

Há ainda a ser considerado o tamanho do percentual dos brasileiros que tem medo (ojeriza) à ideia de guerra. Esses podem temer ainda mais Bolsonaro e seu governo militar. Como se pode intuir o tema tende a trazer mais um embate político entre os principais candidatos nas eleições de outubro.

Para quem está na liderança folgada nas várias pesquisas, em quadro de estabilidade, caso do Lula, nada disso interessa. Já ao presidente que vai para disputa à reeleição, nas piores condições por má avaliação do seu mandato na história eleitoral do Brasil, o tema pode aparecer como esforço, quase desesperado, de virar o quadro com iniciativas e decisões inesperadas.

É evidente que o percentual de pessoas que possa cair nesta nova e contraditória dissimulação não é tão grande, mas devemos lembrar que as eleições contemporâneas no Ocidente tendem a ser decididas por margens pequenas de votos.

Enfim, as ameaças da guerra EUA-OTAN x Rússia para outras regiões do mundo começa a aparecer no horizonte como um grande conflito. No Brasil, estamos a menos de sete meses das eleições de outubro. Esperava-se para abril (e depois junho), as primeiras definições que produziriam reflexos para as eleições presidenciais.

Porém, esse novo cenário chega trazendo espanto e horror pelos embates e vítimas, mas também instabilidades e possibilidades de que o tema da guerra, se prolongada no tempo e espaço, possa empurrar as definições principais das eleições no Brasil, ainda mais para a reta final do pleito e com a geopolítica global.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email