A arrogância de um Ciro de engenho

"Ciro tenta fazer jus ao significado de seu nome em grego: 'senhor'. É assim que ele costuma agir em ambientes democráticos da política. O que talvez não seja tão surpreendente, quando acompanhamos sua trajetória político-partidária, que vale a pena lembrar sempre", diz o colunista Hayle Gadelha; "Nervosinho porque não conseguia controlar a estudantada na Bienal da UNE, em Salvador, acabou repetindo o que seu irmão, o senador Cid Gomes, disse em um evento no Ceará durante o segundo turno das eleições: chamou um militante de 'babaca'"

A arrogância de um Ciro de engenho
A arrogância de um Ciro de engenho (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ciro tenta fazer jus ao significado de seu nome em grego: "senhor". É assim que ele costuma agir em ambientes democráticos da política. O que talvez não seja tão surpreendente, quando acompanhamos sua trajetória político-partidária, que vale a pena lembrar sempre.

Ciro começou pela Arena (que depois teve o nome de PDS, partido da ditadura militar). Isso foi de 1980 a 1983. Pulou para o PMDB (1983 – 1988). Depois, bateu asas rumo aos tucanos do PSDB (1988 – 1996). Passou para o PPS (1996-2005). Mergulhou no PSB (2005-2013). Saltou para o PROS (2013 – 2015). E finalmente foi acolhido pelo PDT (2015) – o que pode ter deixado o espírito de Brizola inteiramente arrasado.

Na última eleição presidencial, com Lula preso, tentou convencer o PT a acolhê-lo como cabeça de chapa, fazer o Brasil correr o risco de elegê-lo Presidente. Na verdade, ele só pensava em neutralizar o PT para avançar tranquilo com suas propostas de direita/centro-direita que tanto agradam aos antipetistas. Não conseguiu alcançar os seus objetivos – o PT é "burro", claro...

Após a vitória de Bolsonaro, Ciro teve a ousadia de dizer que "Bolsonaro não representa um risco para a democracia". Aproximaram-se. Discutiram a reforma da Previdência – que ele sabiamente passou a criticar. Mais sabiamente – ou talvez mais espertamente –, Ciro passou a procurar abrir um espaço entre o bolsonarismo e o lulismo. Descobriu que é uma faixa muito limitada e, obviamente, procura ampliá-la. Mas senhor de engenho é senhor de engenho: não pede voto, manda votar. E acontece o que aconteceu nesta quinta-feira, dia 7. Nervosinho porque não conseguia controlar a estudantada na Bienal da UNE, em Salvador, acabou repetindo o que seu irmão, o senador Cid Gomes, disse em um evento no Ceará durante o segundo turno das eleições: chamou um militante de "babaca".

Dizia ele que "o jovem no bar é obrigado a defender corrupção, aparelhamento do Estado, formação de quadrilha, mas isso não é para vocês, vocês não têm nada a ver com isso". Alguém da plateia gritou: "corrupto". E ele mais uma vez perde a cabeça e berra: "Não sou, não. Eu estou solto. Eu sou limpo, eu sou limpo. Lula está preso, babaca".

Pra que isso, Senhor?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247