A cloroquina não tem culpa, o monstro é Bolsonaro

Se a cloroquina não pode ser entendida como o medicamento perfeito ou preferencial para o tratamento do coronavírus, ela também não pode ser vista como uma droga monstruosa. Monstruoso é quem não pensa na vida dos outros quando vai recomendá-la

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os especialistas médicos do mundo inteiro (reitero, os especialistas, não os bolsonaros) dizem que a cloroquina é um medicamento que pode servir para alguns pacientes afetados pelo coronavírus. Além disso, a cloroquina também já se provou útil para o combate de outras enfermidades, como a malária, por exemplo.

Porém, os efeitos colaterais da cloroquina podem ser mortais e, por isso, só um especialista poderia determinar quando, e em quem, a droga deveria ser administrada. No caso de pessoas com problemas de hipertensão ou cardíacos, dizem os especialistas,  o risco de que a cloroquina cause a morte é muito elevado. Este é apenas um dos casos em que os riscos são muito mais evidentes do que as perspectivas de cura. Há inúmeros outros.

Quem pode saber se a cloroquina é ou não o medicamento certo para tal ou qual paciente? Só o médico que esteja cuidando do mesmo e que disponha de informações sobre suas condições de saúde.

E por que, mesmo sem entender nada de medicina, Bolsonaro insiste em que a cloroquina seja oferecida como um medicamento aberto de consumo geral? A resposta que poderia vir a nossa mente em primeiro lugar é: Bolsonaro é uma pessoa cruel, sem nenhuma empatia com a vida e os sofrimentos de outros seres humanos.  Mas, pensando bem, além desta, deve haver outras motivações bem mais relevantes.

Também poderíamos pensar que Bolsonaro tem interesses econômicos ligados aos de fabricantes de cloroquina e, deste modo, vai ganhar dinheiro com o aumento do consumo da droga. É uma hipótese bem fundamentada, visto que seu amiguinho Donald Trump está ligado a empresas farmacêuticas que produzem cloroquina. E, como dizem que Bolsonaro e Trump compartilham o mesmo coração, por que descartar esta alternativa?

Já outros talvez achem mais provável que a motivação de Bolsonaro não esteja totalmente vinculada a interesses pecuniários pessoais. Poderia mesmo ser tão somente uma visão impulsionada pelo desejo de pôr fim a uma quarentena que não é aceita por Bolsonaro e nem por grupos econômicos que o apoiam, em razão da significativa queda no nível de atividades que ela acarreta e a consequente diminuição de lucros a auferir. Ou seja, ao difundir a crença de que o coronavírus pode ser facilmente eliminado no caso de que haja a contaminação, a quarentena passaria a ser entendida como um custo desnecessário para o enfrentamento da pandemia, uma vez que a cloroquina estaria aí para rapidamente solucionar o problema.

Seja qual for a hipótese escolhida, a cloroquina não tem a culpa. Ela pode ser de muita utilidade em certos casos, e mortal em outros. Mas, se a cloroquina não pode ser entendida como o medicamento perfeito ou preferencial para o tratamento do coronavírus, ela também não pode ser vista como uma droga monstruosa. Monstruoso é quem não pensa na vida dos outros quando vai recomendá-la.

Em outras palavras, monstruoso é Bolsonaro, não a cloroquina

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email