A conveniência do sacerdócio para as mulheres

Na prática, todos os espaços públicos e as mais diversas funções estão abertas às mulheres. Vale isso também para o sacerdócio para as mulheres dentro da Igreja romano-católica? Nas Igrejas evangélicas, na anglicana e também no rabinato, as mulheres foram admitidas na função antes reservada só aos homens

(Foto: Reprdução)

A dimensão do feminino não é exclusiva das mulheres, pois tanto homens
quanto mulheres são portadores, cada um na sua modalidade própria, do
masculino e do feminino. Tomás de Aquino na Suma Teológica já na sua
primeira questão ao abordar o objeto da teologia, deixava claro que  ela pode abordar qualquer tema, desde que o faça à luz de Deus. Caso
contrário perderia sua pertinência. Portanto, nesta perspectiva, cabe
perguntar acerca do sacerdócio das mulheres, realidade que lhe foi  negada na Igreja romano-católica. E considerar as boas razões teológicas que garantem sua conveniência. 

O assim chamado “depósito da fé”, vale dizer, a positividade cristã
não é uma cisterna de águas mortas. Ela se reaviva confrontando-se com
as mudanças irrefreáveis da história como é o caso suscitado pelo
Sínodo da Amazônia. 

Assim no mundo todo, verifica-se cada vez mais a reafirmação da
paridade da mulher, em dignidade e direitos, com o homem.
Compreensivelmente não é fácil desmontar séculos de  hétero-patriarcalismo que implica diminuir e marginalizar a mulher.
 

Mas lenta e consequentemente as discriminações vão sendo superadas e,
em certos casos, até punidas. Na prática, todos os espaços públicos e
as mais diversas funções estão abertas às mulheres. Vale isso também
para o sacerdócio para as mulheres dentro da Igreja romano-católica?
Nas Igrejas evangélicas, na anglicana e também no rabinato, as  mulheres foram admitidas na função antes reservada só aos homens.
 

A Igreja romano-católica, nos estratos da mais alta oficialidade, até  recente data, se recusava sequer colocar a questão especialmente sob o
Papa João Paulo II. Ela ficou refém da secular cultura  hétero-patriarcal. Mas não pode se transformar num bastião de  conservadorismo e anti-feminismo num mundo que avança rumo à riqueza da relacionaliade homem e mulher. O Papa Francisco tem o mérito de  colocar as questões pertinentes do mundo de hoje, como a questão da moral matrimonial e o tratamento para com os homoafetivos, o  sacerdócio para homens casados e outras minorias.
 

Como afirmava uma feminista ainda no século passado A.van Eyde:”O bem
do homem e da mulher são interdependentes. Ambos ficarão lesados se,
numa comunidade, um deles não puder contribuir com toda a medida de
suas possibilidades. A Igreja mesma ficaria ferida em seu corpo  orgânico se não desse lugar à mulher dentro de suas instituições  eclesiais”(Die Frau im Kirchenamt, 1967, p. 360).
 

A minuciosa pesquisa de teólogos e teólogas, do mais alto gabarito, como Karl Rahner entre outros, tem demonstrado que não há nenhuma barreira doutrinária e dogmática que impeça o acesso do sacerdócio às  mulheres.
 

Em primeiro lugar, importa recordar que há um só sacerdócio na Igreja,
aquele de Cristo. Os que vêm sob o nome de “sacerdote”, são apenas
figurações e representantes do único sacerdócio de Cristo. Sua função
não pode ser reduzida, como sustenta a argumentação oficial, ao poder
de consagrar. Toda a vida de Cristo é sacerdotal, vale dizer,  apresentou-se como um ser-para-outros, defendeu os mais vulneráveis,  também mulheres, pregou fraternidade, reconciliação, amor  incondicional e perdão. Não é só na última Ceia que se se mostra  sacerdote, mas em toda a sua vida, vale dizer, um criador de pontes e de reconciliação.
 

A função do sacerdote ministerial não é acumular todos os serviços, mas coordená-los para que todos sirvam à comunidade. Pelo fato de presidir a comunidade, preside também a eucaristia. Esse serviço (que São Paulo chama de “carisma” que são muitos) pode muito bem ser exercido pelas mulheres como se mostra nas igrejas não romano-católicas e nas comunidades eclesiais de base.

E haveria razões das mais convenientes que fundamentam tal ministério
por parte das mulheres. Em primeiro lugar, a primeira Pessoa divina a vir ao mundo foi o  Espírito Santo que assumiu Maria para gerar em seu seio a segunda  Pessoa, o Filho encarnado, Jesus Cristo. O Filho só veio depois do "fiat"(o sim) de Maria.
 

Seguiam Jesus não apenas Apóstolos e discípulos, mas também muitas
mulheres que lhe garantiam a infra-estrutura. Elas nunca traíram Jesus, o que não se pode dizer dos Apóstolos, especialmente do mais importante deles, Pedro. Após a prisão e a crucificação todos fugiram. Elas ficaram ao pé da cruz.
 

Foram elas que, por primeiro, numa atitude genuinamente feminina, foram ao sepulcro para ungir o corpo do Crucificado. O maior evento da fé cristã, a ressurreição de Jesus, foi testemunhado primeiramente, por uma mulher, Maria Madalena, a ponto de São Bernardo dizer que ela foi “apóstolo”para os Apóstolos.
 

Se uma mulher, Maria, pôde dar à luz a Jesus, seu filho, como não pode
representá-lo sacramentalmente na comunidade? Aqui há uma contradição  flagrante, só compreensível no quadro de uma Igreja hétero-patriarcal,  masculinista e composta de celibatários, responsáveis pela direção e pela animação da fé.
 

Logicamente, o sacerdócio feminino não pode ser a reprodução daquele
masculino. Seria uma aberração se assim fosse. Deve ser um sacerdócio
singular, com o modo de ser da mulher com tudo o que denota sua
feminilidade no plano ontológico, psicológico, sociológico e biológico. Não será a substituta do padre. Mas  conformará o sacerdócio a seu modo próprio.
 

Tempos virão em que a Igreja romano-católica acertará seu passo com o
movimento feminista mundial e com o próprio mundo, rumo a uma integração do “animus” e da “anima” para o enriquecimento humano e da
própria Igreja.
 

Somos, pois, a favor do sacerdócio conferido às mulheres dentro da
Igreja romano-católica, escolhidas e preparadas a partir das comunidades de fé. Cabe a elas dar-lhe uma configuração especifica,
diversa daquela dos homens.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247