A direita latino-americana disse a que veio

"O retorno da direita ao governo na Argentina e no Brasil poderia significar uma atualização das propostas da direita. No entanto, nos dois países em que retomou o governo, se está aplicando o mesmíssimo modelo que já havia fracassado nos anos 1990", diz o sociólogo Emir Sader, apontando "desastrosas consequências: profunda e prolongada recessão, desemprego recorde, desindustrialização da economia, fuga de capitais, elevação do déficit publico"

"O retorno da direita ao governo na Argentina e no Brasil poderia significar uma atualização das propostas da direita. No entanto, nos dois países em que retomou o governo, se está aplicando o mesmíssimo modelo que já havia fracassado nos anos 1990", diz o sociólogo Emir Sader, apontando "desastrosas consequências: profunda e prolongada recessão, desemprego recorde, desindustrialização da economia, fuga de capitais, elevação do déficit publico"
"O retorno da direita ao governo na Argentina e no Brasil poderia significar uma atualização das propostas da direita. No entanto, nos dois países em que retomou o governo, se está aplicando o mesmíssimo modelo que já havia fracassado nos anos 1990", diz o sociólogo Emir Sader, apontando "desastrosas consequências: profunda e prolongada recessão, desemprego recorde, desindustrialização da economia, fuga de capitais, elevação do déficit publico" (Foto: Emir Sader)

Depois de anos duros, em que parecia que o neoliberalismo tinha vindo pra ficar, forcas populares conseguiram construir programas de governo antineoliberais, ganhar eleições e protagonizar os anos mais virtuosos da história latino-americana, em alguns dos nossos países.

Mas a direita, mesmo derrotada reiteradamente, não deixou de manobrar para tentar brecar a esses processo, que representam o desmascaramento de tudo o que a direita tinha dito que seria nosso destino inevitável. Prometia distintas coisas, mas sua política econômica sempre era a do velho modelo centrado nos ajustes fiscais, como remédio contra a doença dos gastos estatais supostamente excessivos.

A direita voltou à carga, conquistando o governo na Argentina por meio de eleições, conseguindo retomar o governo no Brasil por meio de um golpe. E teve a possibilidade de dizer ao que vinham porque tinha lutado tanto, com todas suas forcas, legais e ilegais, para retornar ao governo. Para dizer o que tem a propor e a realizar na América Latina.

Na verdade, não era necessário aguardar esse retorno. Porque podíamos saber o que a direita latino-americana tema a propor pela situação de países como o México, por exemplo, governado ha tantas décadas pela direita, com um modelo neoliberal desde já pelo menos 25 anos. O favoritismo de Lopez Obrador para se tornar o próximo presidente do México é o resultado direto do fracasso dos governos do PRI e do PAN, que se alternaram no governo, sem mudar a politica econômica neoliberal e levando o México a uma situação catastrófica, de todos os pontos de vista.

O País que ia apontar o caminho para os outros países do continente, tendo sido o primeiro em assinar um tratado de livre comercio com os EUA (nesse caso, também com o Canadá) representa, ao contrário do proposto, a falência desses tratados e dessas políticas. Os dois partidos de direita somados não têm as preferências de voto de Lopez Obrador, que aparece como a ruptura com a corrupta oligarquia tradicional do México.

Mas o retorno da direita ao governo na Argentina e no Brasil poderia significar uma atualização das propostas da direita. No entanto, nos dois países em que retomou o governo, se está aplicando o mesmíssimo modelo que já havia fracassado nos anos 1990. O mesmo diagnóstico de que os problemas das nossas economias seriam os gastos excessivos do Estado tiveram o mesmo tipo de resposta: a centralidade do ajuste fiscal. Com as mesmas desastrosas consequências: profunda e prolongada recessão, desemprego recorde, desindustrialização da economia, fuga de capitais, elevação do déficit publico.

Para isso vieram as direitas na Argentina e no Brasil? É isso o que prometiam? Por isso lutaram tanto contra os governos populares, valendo-se de acusações falsas, de campanhas de mentiras, de cerco aos governos desde os meios de comunicação e desde os capitais especulativos?

Demonstra, para o México, para a Colômbia, para a Bolívia, para o próprio Brasil e outros países questão ou vão entrar em processos eleitorais, o que podem esperar dos partidos e dos candidatos da direita na América Latina, quaisquer que sejam sus promessas. Na Venezuela chegaram a propor a dolarização da economia. No Brasil se privatiza os melhores patrimônios nacionais, os da Petrobras, se eleva brutalmente o preço dos combustíveis e se volta a importar gasolina. Na Argentina, se volta à entrega nos braços do FMI, retornando a comprometer o futuro do país.

Venezuela, se llegó a pro mejores patrimônios nacionales, los de Petrobras.

As alternativas de retomada do desenvolvimento econômico com distribuição de renda supõem a ruptura com o modelo neoliberal, o que somente governos de esquerda podem fazer, como foi demonstrado neste século. Depende da capacidade da esquerda de voltar a unificar o campo popular, onde ele está dividido, a superar os obstáculos jurídicos e políticos onde a direita se vale deles contra líderes populares da esquerda, da atualização dos projetos que deram certo, adequando-os às condições internas e externas atuais, de resgate dos valores solidários, cooperativos, humanistas, como forma de superação positiva da crise atual que afeta a todo o continente.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Miguel Paiva

Dá trabalho dormir em paz

Colunista Miguel Paiva, membro do Jornalistas pela Democracia, afirma que Jair Bolsonaro" defende interesses particulares como se fossem anseios coletivos iludindo o povo". "Tudo o que ele quer...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247