A doença, o termômetro e o doente

Melhor fariam esses gestores se, ao invés de quererem intimidar seus críticos com pedidos de interpelação judicial sobre as críticas a eles destinadas, atacassem os inúmeros problemas que afligem à população

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Uma das inversões patológicas mais conhecidas é aquela onde o doente - muito enfermo - se vinga da doença, quebrando o termômetro ou investindo contra o diagnóstico ou o médico. Naturalmente o médico, o termômetro ou o diagnóstico não podem ser responsabilizados pela enfermidade do doente. Mas ele se ilude (ou pretende iludir a outros) de que não está doente, tão mal assim, e que é tudo culpa da Medicina, de seus profissionais ou dos exames clínicos.

Esse desvio de percepção parece caracterizar a atitude de certos gestores, quando recebem críticas à sua gestão. Ao invés de ter a humildade de reconhecer as dificuldades, os problemas e procurar consertá-los, na medida do possível, investem contra o diagnóstico de sua gestão, com medidas administrativas ou judiciais.

É o caso de uma curiosa inversão: a autoridade pública, escolhida para gerir recursos públicos tendo em vista atender as inúmeras carências da sociedade, conforme promessas feitas em praça pública durante a campanha eleitoral, acha que não deve mais nenhuma satisfação aos seus eleitores e concidadãos. Sua comunicação com a sociedade é a propaganda institucional ou os sofismas,a que se entrega, quando tem de responder a perguntas incômodas feitas pela imprensa.

Melhor fariam esses gestores se, ao invés de quererem intimidar seus críticos com pedidos de interpelação judicial sobre as críticas a eles destinadas, atacassem os inúmeros problemas que afligem à população. Exemplo: pagar o aluguel dos imóveis onde funcionam as escolas públicas. Pagar a fabulosa dívida com os fornecedores e prestadores de serviço ao Estado, que inviabiliza a saúde pública, o funcionamento dos hospitais, postos de saúde etc.

Resolver o problema das merendas escolares do Ginásio Pernambucano. Cuidar dos cadáveres abandonados na IML. Remunerar condignamente os professores e servidores da educação estadual. Estancar o processo de demissão dos médicos nas UPAs , por falta de pagamento e condições de trabalho. E explicar convincentemente na Corte interamericana da OEA a mortandade e as rebeliões no sistema penitenciário que leva, aliás, o nome do santo.

Isso sim seria a atitude mais responsável, madura e correta de um gestor que se elegeu pela mão do outro e a primeira medida que tomou foi anunciar, candidamente, um rombo de R$ 8 bilhões nas contas publicas!

Será que ninguém disse a esses gestores que déficit público não se resolve com aumento de impostos, corte de salários e falta de investimentos? - Num contexto de retração econômica, alta de juros, desemprego e queda da renda do trabalho, mais impostos só aumentam a recessão e a queda da arrecadação? - O problema do déficit público só se resolve com cortes na própria carne (andar de avião, por exemplo) e com o aumento da atividade econômica.

Não se aumenta a arrecadação apenas com aumento de impostos, mais inflação e mais recessão. Aumenta-se o confisco, a expropriação da limitada capacidade contributiva do cidadão e da cidadã. Esse fundamentalismo fiscal - aprovado com pequenas ressalvas pela bovina maioria governista - só impõe mais sacrifícios à população e não vai resolver o problema de caixa do governo.

Ao invés de combater os sintomas da doença, o governo do senhor Paulo Saraiva Câmara devia fazer uma" mea culpa" dos inúmeros erros cometidos, ao invés de investir contra os críticos de sua administração.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247