A Estepe 2

Depois de ouvir todas as frases clichês usadas como desculpa, apenas lhe disse que não poderia mais dar continuidade ao nosso casamento, não viveria uma farsa, estava evidente que não havia mais amor entre nós

Siga o Brasil 247 no Google News

Após a descoberta, o confronto. Acordei meu ex-marido e lhe questionei sobre a traição, o porquê de ter acontecido, pois sempre lhe dissera que não precisávamos ficar juntos por conveniência, que se o amor, o desejo e o querer acabassem não deveríamos mais dar continuidade ao casamento.

Ele assustado me disse que não havia nada entre eles, “era coisa da minha cabeça”, “estava fazendo tempestade em um copo d’água”, “era apenas uma amiga”. Mas eu havia visto todas as fotos, inclusive as de uma viagem que ele tinha me dito que era a trabalho. Quando lhe disse isso o discurso mudou, passou a me dizer que a Estepe nada significava para ele, era só uma aventura, que não a veria mais.

Depois de ouvir todas as frases clichês usadas como desculpa, apenas lhe disse que não poderia mais dar continuidade ao nosso casamento, não viveria uma farsa, estava evidente que não havia mais amor entre nós. Nossa relação já não fazia mais sentido mesmo antes da descoberta, e diante dela não queria mais tentar resgatar o que já estava finalizado, não havia mais sentimento.

PUBLICIDADE

Eu queria pensar, avaliar a situação; estava atordoada porque sempre me pautei pela sinceridade na relação.

Após alguns dias de silêncio comuniquei minha decisão: o divórcio. Veio o choro; os pedidos para que eu reconsiderasse. Ele não queria a separação e o mesmo discurso anterior, cheio de desculpas, retornou. Nesse momento lhe pedi que me contasse a história, queria saber como tinha acontecido. Até hoje não sei por que lhe pedi isso, mas achei que precisava saber. Tinha certeza de que todos os meus padrões estavam ali se impondo na necessidade curiosa em saber tudo sobre o que acontecera entre o Ex-marido e a Estepe.

A história começou a ser contada: Nosso namoro tinha tido muitas idas e vindas e em um desses períodos de separação eles se conheceram e o envolvimento aconteceu, mas como sempre era recorrente quando nos encontrávamos, retomamos o namoro e ele se afastava dela. No entanto, me disse que permaneceram em contato, mas cada vez que nos desentendíamos os braços dela lhe serviam de consolo.

PUBLICIDADE

Nos casamos! E a dinâmica dos dois permaneceu, até que ela se casou, teve filhos e construiu a sua vida longe dele. O casamento dela terminou antes do meu e quando se separou buscou meu Ex-marido, o qual de início lhe dava apoio e amizade, mas a relação deles foi se aprofundando com o tempo, lhe era confortável ter a disposição aquela mulher que tanto lhe desejava e nada cobrava, enquanto mantinha as aparências com a oficial sob total controle.

Talvez pensem que isso aconteceu porque nossa relação estava desgastada, que eu deixei espaços para que ele buscasse fora de casa o que não tinha dentro, ouvi muito isso quando compartilhei com amigas a história. Mas não era essa a nossa realidade! Não naquele momento. Ele voltou a se envolver com a Estepe em um dos melhores momentos do nosso casamento, ou era o que aparentava, pois estávamos muito unidos, não havia conflitos entre nós e eu me dedicava integralmente a ele e aos filhos. Era o sonho da família perfeita que sempre externara, e vê-lo feliz me deixava alegre, os padrões e sonhos idealizados me faziam acreditar que tudo estava perfeito.

Naquele período me anulava para ser o que esperavam de mim, a esposa e mãe; nada do que sou e o que queira valiam algo, mas havia sido treinada e moldada para viver daquela forma, aceitar e manter a aparência de felicidade, me conformava com aquela situação, cumpria o papel para o qual fui designada sem questioná-lo. Porém surgiram os primeiros sinais da saudade do meu próprio ser e a solidão instalou-se internamente, apesar de estar casada.

PUBLICIDADE

Sufocada pelo modelo da família perfeita que precisava desempenhar e o silêncio imposto quando comecei a questionar sobre meus anseios ou sobre a vontade de retomar minha carreira, me fizeram despertar para o total desconhecimento sobre o homem que partilhava a minha vida. Comecei a definhar, pois percebera que só a minha vida havia sido entregue, não dividíamos, não éramos parceiros, apenas estávamos casados, entregava mais do que recebia; e os dias somente passavam, não contava mais o tempo e meu único desejo era a chegada do fim de cada ano.

Enquanto isso ele continuava a se encontrar com a Estepe, prometia que a separação iria acontecer, que eu era uma péssima esposa e mãe, não aguentava mais passar os dias ao meu lado e finalmente ficariam juntos, tudo conforme o roteiro para mantê-la em sua cela. E o tempo passava, mas a separação não acontecia. Ela começava a se irritar com ele, as desculpas se intensificavam; não suportava mais esperar que ele tomasse a decisão que lhe prometera e decidira pôr um fim, não queria mais esperar.

Assim, ela terminou a relação e após alguns anos, alguns poucos relacionamentos, se viu sozinha novamente e resolveu procurá-lo. Pensou que talvez a separação tivesse acontecido. Ele dizia que não suportava mais o casamento, que era só uma questão de tempo, mas esse já havia passado; provavelmente já estaria separado e só, acreditou que seria a oportunidade que os dois estariam aguardando.

PUBLICIDADE

Qual não foi sua surpresa quando o reencontrou e soube que ele permanecia casado.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email