A extrema direita e a captura de nossos símbolos nacionais

Apologia à ditadura e ruptura institucional eram só um dos pavorosos temas citados por esses indivíduos

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução/Twitter/@GeorgMarques)


É de conhecimento geral que nos últimos anos grupos que se identificam com posições extremistas de direita e autoritárias se apropriaram de vários símbolos da nossa pátria. Movimento esse que começa com as manifestações de 2013 e se intensifica com a vitória do Capitão que saiu com desonra do exército, vulgo Bolsonaro, no processo eleitoral de 2018. 

Fomos acostumados a acompanhar nos jornais e tvs, tais grupos vestindo o amarelo da seleção e com a bandeira nacional. Muitos saíam às ruas gritando o famoso e péssimo bordão: “Nossa bandeira jamais será vermelha!” Gritos que ecoavam de pessoas que certamente, não tinham ideia do que estavam falando. Apologia à ditadura e ruptura institucional eram só um dos pavorosos temas citados por esses indivíduos, que querem ser chamados de “cidadão de bem”, evidente que a bondade não é uma característica fiel a essa parcela da sociedade brasileira.

 É valida a preocupação de todos com essa apropriação de nosso símbolos e cores, pois segundo o jornalista e escritor, Oliver Stuenkel, essa tendência faz parte de uma sofisticada estratégia por parte desses extremistas, pois permite a suposta e falsa ideia de divisão das pessoas, de um lado os patriotas e do outro os inimigos da pátria. 

Foi nessa construção de patriotismo exacerbado e bisonho, que a extrema direita chega ao poder e tenta de todas formas excluir aqueles que ousam partilhar e congregar outras cores do arco íris, especialmente o vermelho. É no uso dos nossos símbolos que esses movimentos procuram produzi um país com ódio, intolerância e menos amor. Por sinal bem a cara deles. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247