A gaveta é uma tentação perigosa para Augusto Aras

Jornalista Moisés Mendes diz que "engavetador" é um adjetivo depreciativo, mas pode ser pouco para o que estão reservando ao PGR. "Augusto Aras encaminhou ao Supremo um pedido de suspensão do inquérito. Por que agora? É um movimento brusco, que Aras faz dois dias depois de receber a visita inesperada de Bolsonaro", avalia Mendes

www.brasil247.com - Ministros do STF e Augusto Aras
Ministros do STF e Augusto Aras (Foto: STF | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Moisés Mendes, para o Jornalistas pela Democracia 

O procurador-geral da República pode se transformar no personagem mais atormentado do Brasil. Todos os seus gestos serão acompanhados até por gente que nunca soube qual é a real atribuição do chefe do Ministério Público.

Aras é a autoridade com poder para contribuir que sejam levados adiante ou para que se engavetem os procedimentos que envolvem Bolsonaro, seus filhos e uma rede de colaboradores e financiadores de um esquema mafioso de produção de mentiras e difamações.

PUBLICIDADE

Um ocupante do cargo que agora é de Aras ficou famoso como engavetador-geral da República. Foi o procurador Geraldo Brindeiro, do governo de Fernando Henrique Cardoso. Diziam que Brindeiro arquivou tudo, mas tudo mesmo, contra o governo de FH.

Brindeiro foi quem engavetou a representação para que Fernando Henrique fosse processado pela compra dos votos que garantiram no Congresso a emenda da reeleição, em junho de 1997.

Brindeiro engavetava tudo o que poderia atingir FH e seus ministros. Era tão engavetador que ficou oito anos no cargo. Oito anos!!! Era um servidor a serviço de FH.

PUBLICIDADE

Aras não terá a chance de imitá-lo, porque os tempos são outros. A imprensa era aliada de Fernando Henrique. A base de sustentação política do tucano era ampla e confortável.

Mas Brindeiro carrega até hoje o estigma de engavetador. Ninguém irá livrá-lo do apelido, que é terrível para alguém que ocupou cargo público e deveria defender a República e se transformou em advogado do homem de plantão no poder.

Engavetador é um adjetivo depreciativo, mas pode ser pouco para o que estão reservando a Augusto Aras. O atual procurador não terá como fazer impunemente as manobras que Brindeiro fazia. A imprensa não vai ser cordial, como foi quando dos delitos cometidos por FH.

PUBLICIDADE

Em abril do ano passado, num desafio ao Supremo, que havia deflagrado a investigação das fake news (admite-se que numa decisão ainda envolta em controvérsias), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ofício a Alexandre de Moraes.

A procuradora informava que havia arquivado o inquérito aberto em março pelo presidente do STF, Dias Toffoli. Moraes, o relator, ignorou o recado e mandou que levassem em frente as investigações conduzidas pela Polícia Federal. Em decisão recente, o ministro determinou que ninguém troca os delegados encarregados das sindicâncias.

Hoje, depois das operações de busca e apreensão autorizadas por Moraes, Augusto Aras encaminhou ao Supremo um pedido de suspensão do inquérito.

PUBLICIDADE

Por que agora? É um movimento brusco, que Aras faz dois dias depois de receber a visita inesperada de Bolsonaro.

Não se tem notícia de alguma visita de Fernando Henrique a Brindeiro dias antes da decisão do procurador-geral de engavetar o processo da compra de votos da reeleição de 1997.

Aras sabe que a fama de Brindeiro é uma mancha que não se apaga. E que quase ninguém se lembra da passagem de Raquel Dodge pelo cargo, com ou sem manchas.

Mas é provável que daqui a alguns anos muitos se lembrem de Alexandre de Moraes como o juiz destemido que enfrentou o fascismo e os engavetadores.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email