A geopolítica da vacina: Taiwan troca microprocessadores por vacinas

"Não, não se trata da estória da introdução de chips dentro das vacinas os negacionistas e terraplanistas. É sim, uma espécie de escambo emergencial inusitado nos tempos atuais", escreve o professor do IFF Roberto Moraes

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A disputa que envolve a luta (guerra) pelas vacinas vai muito para além do que as Big Farms (grandes farmacêuticas) globais fazem, para garantir os seus espaços na extração de riqueza dos países, onde atuam fornecendo medicamentos e vacinas. Em especial, neste momento de desespero diante do combate ao vírus corona, suas mutações e à doença da Covid.

Embora, as primeiras vacinas tenham sido produzido por grandes farmacêuticas globais, com apoio científico e tecnológicos das grandes universidades e seus centros de pesquisas em biotecnologia, outras estão sendo desenvolvidos por instituições públicas de pesquisas, mesmo que em ritmos menos velozes e, em breve, estarão disponíveis.

Essas vacinas das Big Farms não teriam saído sem os vultuosos aportes de fundos públicos seja nos EUA, União Europeia ou na China. Chamamos a isso, Condições Gerais de Produção, onde a participação do Estado é condição “si ne qua non”, como já mostrou a Mariana Mazzucatto, em seu livro “O Estado empreendedor”.

No meio desse processo muitas articulações entre gestores públicos, negociações comerciais e financeiras foram e continua sendo acertadas. Porém, mais do que isso, interesses de nações estão em curso envolvendo a geopolítica, que pode ser traduzida como supremacia de uns em relação a outros.

Vacinar as populações garantem poder às nações e isso já é razão de disputa de alinhamentos e preferências comerciais. É nesse escopo que o isolamento quase total do Brasil é calamitoso. Não apenas pelo negacionismo, como pela obtusidade com que o Partido Militar viu essa questão durante todo o tempo com olhar ideológico que negou a realidade, por exemplo, em relação à China e ao acordo do Butantã com a farmacêutica chinesa Sinovac, criadora da vacina Coronavac.

Neste contexto não é difícil compreender que a procura pelas vacinas colocam em riscos a liderança dos governos diante de suas populações. Repito, a luta pelas vacinas é basicamente uma disputa entre governos e suas nações no jogo da geopolítica global.

Aliás, a geopolítica se dá tanto na via das nações produtoras de vacina (China, EUA, Índia, Rússia, RU) que adquirem poder com o produto que todos querem, quanto para aqueles que precisam comprar, admitindo concessões não usuais que podem envolver para além de dinheiro, mas outros tipos de garantias e barganhas. Interessante que entre as nações do Brics, só Brasil e África do Sul, não estão no rol dos produtores e são dependentes das vacinas estrangeiras.

Nesta conjuntura é que surge o caso de Taiwan, uma ilha-nação do sul asiático. Taiwan é hoje o país onde está instalada a maior indústria de semicondutores do mundo, a TSMC, que atende todos os grandes fabricantes mundiais de celulares, equipamentos e rede de informática, televisões, etc. e está no centro da guerra tecnológica entre EUA x China no fornecimento de microchips.

Pois bem, Taiwan, onde moram cerca de 24 milhões de pessoas, no meio de algumas dificuldades do governo para ter acesso à vacina para sua população colocou à disposição dos países produtores de vacina na Europa, lotes de seus microprocessadores (microchips) em troca de outros tantos de vacina contra a Covid.

Não, não se trata da estória da introdução de chips dentro das vacinas os negacionistas e terraplanistas. 

É sim, uma espécie de escambo emergencial inusitado nos tempos atuais. O fato, já noticiado no final de janeiro [1] foi citado ontem, pelo cientista Miguel de Nicolellis, em conversa com cientistas estrangeiros [2], ilustra bem como a supremacia científica e industrial de um país em relação a outros num momento emergencial e dramático como o que vivemos.

A Índia mesmo, chegou a humilhar o Brasil em janeiro passado, ao retardar a entrega de dois milhões de vacinas da Oxford fabricada em seu país, por posição a seu favor na ONU. Outros casos estão vindo à tona de troca de vacinas, por garantias e aberturas comerciais e de mercado para quem precisa desesperadamente do imunizante.

Consta que a própria China estaria impondo, condições para exportações do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) - insumo principal de todo medicamento ou vacina -, assim como para o produto acabado.

Quem atua no mercado internacional sabe como funciona o pragmatismo das relações comerciais e de negócios que envolvem a geopolítica e os interesses das nações.

No Brasil, o Partido Militar no (des)governo, mesmo que formado para atuar na guerra, acredita que alinhamento automáticos e dependência consentida fossem resolver os problemas de uma nação que se tornou pária no mundo.

 

Referências:

[1] Matéria do WCCFTECH, em de 31 de janeiro de 2021. ZAFAR, Ramish. Troca de 'chip por vacina' da TSMC para atrasar a produção de chip de circuito integrado. Disponível em: https://wccftech.com/tsmcs-chip-for-vaccine-swap-to-delay-integrated-circuit-chip-production/

[2] Miguel de Nicolellis em entrevista ao GGN do Luiz Nassif em 04 de março de 2021. Nicolellis defende intervenção no Ministério da Saúde: “Salvação Nacional”. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XRj7dTGQw1w

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email