A ordem é bajular

Notem o leitor e a leitora as rodas de bajuladores ao redor de Jair em eventos e aparições públicas. Não são bajuladores requintados

www.brasil247.com -
(Foto: Anderson Riedel/Fotos Públicas)


O que nos incomoda? A lista deste jornalista é grande. Deixemos de lado a ignorância e a truculência, e vamos à pieguice. Bradar platitudes é hábito de muita gente, enaltecer valores óbvios e incontestáveis é a prática preferida de talvez sete entre dez de nossos convivas costumeiros. Certamente, foi o apego à pieguice que levou ao apogeu as palestras motivacionais que têm enriquecido tantos picaretas.

Quando Jair aparece em rédeas de contenção, diz pieguices em vez de belicosidades e burrices. A pieguice é uma das ferramentas retóricas do hipócrita. Tem o poder de acariciar mentes primitivas.

Não importa se uma tempestade perfeita está em vias de desabar sobre nós, mas sim que o amor existe e morreremos abraçados. É dose.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A honra cavalheiresca é filha da arrogância e da tolice, escreveu Arthur Schopenhauer, filósofo alemão que primou pela não-pieguice e por ridicularizar os bajuladores, todos intrinsecamente piegas. Eles são muitos, diria Nélson Rodrigues a exemplo do que disse dos idiotas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Notem o leitor e a leitora as rodas de bajuladores ao redor de Jair em eventos e aparições públicas. Não são bajuladores requintados – sim, até para bajular é preciso talento e aprendizado. Em tempos outros, os aduladores do poder costumavam demonstrar alguma sofisticação, mostrar conhecimento técnico e até expor divergência pontual para, assim, serem considerados sinceros e autênticos pelo chefe – eis um tipo de bajulação subliminar que costumava dar resultado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os puxa-sacos atuais do poder são indiscretos e pouco criativos. Paulo Guedes, por exemplo, para se manter no cargo jogou no lixo todos os seus aprendizados na Escola de Chicago e falou com todas as letras: “O presidente sempre joga dentro das quatro linhas. Há um script escrito para colocá-lo no papel de golpista. Ele é um democrata”.

O bajulador-raiz, como Guedes, não se preocupa em demonstrar autonomia intelectual para o público externo. A adulação ao chefe se concretiza mediante manifestações públicas que certamente podem render um “obrigado” dentro do gabinete no dia seguinte, mas se for por mensagem de WhatsApp já estará ótimo. A permanência no cargo está garantida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A bajulação – sempre de mãos dadas com a pieguice - por interesse econômico imediato é outra modalidade. Luciano Hang é um bajulador-raiz da categoria “retorno em espécie”, digamos. E se generais chegam a adular capitães, nada mais precisa ser dito a respeito destes tempos.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email