A Petrobrás é nossa!

"As principais lideranças devem deixar de lado suas diferenças para viabilizar uma campanha de mobilização popular, a nível nacional, em defesa da Petrobrás, do petróleo brasileiro e do fim da indexação dos preços ao dólar", escreve a historiadora Carla Teixeira

www.brasil247.com - Petrobrás
Petrobrás (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)


Por Carla Teixeira 

A Petrobrás, fundada em outubro de 1953 pelo governo Getúlio Vargas, nasceu como uma empresa de forte apelo nacionalista. A partir da campanha popular “O petróleo é nosso”, o Congresso Nacional aprovou o monopólio da exploração do petróleo, garantindo que o Brasil dominaria uma de suas principais riquezas naturais. Os governos de Juscelino Kubitschek, João Goulart, Lula e Dilma Rousseff atuaram para promover a soberania nacional, com independência do Brasil em relação ao capital estrangeiro, tendo como lastro para este projeto a exploração do petróleo através da Petrobrás. Vale lembrar que Dilma Rousseff, em 2013, aprovou lei que garantiu que 75% dos royalties do Pré-Sal seriam destinados à educação e 25% para a saúde. À época, estimava-se que até 2023 a prospecção dessa riqueza somaria U$S 112 bilhões. O objetivo era claro: superar as desigualdades sociais do Brasil, viabilizando um projeto de desenvolvimento econômico com inclusão social.

Mas então veio a espionagem da Petrobrás, através do SNI estadunidense, e logo a Lava Jato tratou de aditivar os noticiários, diuturnamente, com manchetes sobre o “Escândalo do Petrolão”, associado ao Partido dos Trabalhadores como fonte de propina para o financiamento de campanha. A perseguição travada pelo Ministério Público, o Judiciário e a Mídia Corporativa garantiram que toda a sociedade acreditasse na versão que narrava uma Petrobrás falida, sem função social, que estaria a serviço de um partido e seu projeto de permanência no poder. Hoje sabemos, como revelou o jornal francês “Le Monde”, a participação crucial e decisiva do ex-juiz Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol que receberam benefícios dos Estados Unidos e treinamento junto ao departamento de Estado daquele país para atuarem a fim de demonizar a política brasileira e inviabilizar a indústria pesada nacional, criando as condições políticas ideias para o golpe de 2016.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Convém sempre ressaltar que o impeachment da Presidenta Dilma veio no bojo da tentativa de subjugação do Brasil aos interesses estadunidenses que, mais uma vez, puderam contar com o apoio da burguesia (anti)nacional – hoje financeirizada – para os planos de retirar no tapetão o PT do poder Executivo. O choque neoliberal que o Brasil vive, desde então, pode ser medido nos índices de desemprego, fome, miséria e mortalidade infantil que se ampliaram exponencialmente. Para coroar o feito golpista, a prisão ilegal do ex-presidente Lula, em abril de 2018, permitiu a vitória ilegítima de Jair Bolsonaro que atua, na presidência da República, como títere dos interesses estadunidenses no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O desmonte da Petrobrás, através da paralisação e venda de refinarias – viabilizando a formação de um monopólio regional privado no setor -, foi sucedido com o leilão dos poços do Pré-Sal que significou, na prática, a quebra do monopólio da Petrobrás para a exploração do petróleo. Entregue aos interesses de empresas estrangeiras e dos acionistas na bolsa de valores, o Brasil vive, hoje, altas semanais nos preços dos combustíveis e do gás de cozinha, pressionando ainda mais a inflação que atinge implacavelmente a classe média e os mais pobres.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sob o comando do general Joaquim Silva e Luna, que viu seus rendimentos saltarem de R$ 32,2 mil para R$ 228,2 mil depois que assumiu a chefia da estatal, a Petrobrás mantém sua política draconiana de indexação dos preços dos combustíveis atrelado ao dólar, o que sufoca os brasileiros reféns de um real desvalorizado que só serve para favorecer os rendimentos em paraíso fiscal do sinistro da economia, Paulo Guedes. Diante do descalabro, a solução encontrada por Bolsonaro foi anunciar a venda da principal empresa estatal brasileira, o que coroará os golpistas de 2016 em suas piores intenções: tornar o Brasil refém dos interesses estadunidenses através da imposição de uma política neoliberal que mata brasileiros.

Os partidos e as mais variadas forças políticas democráticas e nacionalistas devem se unir em torno do projeto comum: defender a Petrobrás, garantindo que suas atividades estejam voltadas ao interesse nacional e às necessidades do povo brasileiro, contando com o monopólio da exploração do petróleo para garantir qualquer projeto de desenvolvimento e soberania nacional. As principais lideranças devem deixar de lado suas diferenças para viabilizar uma campanha de mobilização popular, a nível nacional, em defesa da Petrobrás, do petróleo brasileiro e do fim da indexação dos preços ao dólar. O combustível brasileiro, extraído em solo brasileiro, refinado e distribuído para os brasileiros não deve estar a serviço dos rentistas parasitas que enriquecem sobre a miséria de milhões. O petróleo é nosso! A Petrobrás é nossa! Fora Bolsonaro!!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email