Adeus, nhô pai

Lembrei-me de um fato ocorrido há 21 anos, quando dividi a mesa de lançamento do meu livro, no Rio, com Rolando Boldrin

www.brasil247.com - Rolando Boldrin na TV Cultura
Rolando Boldrin na TV Cultura (Foto: Reprodução)


Lembrei-me de um fato ocorrido há 21 anos. Eu entrando na 10ª Bienal do Livro do Rio, me esgueirando por entre os visitantes, tentando achar o estande da editora Nova Alexandria. Nele, autografaria meu primeiro livro de crônicas, O Caseiro do Presidente - e outras histórias de uma chácara quase em estado de sítio.

Estreara bem, já com prefácio de Luis Fernando Verissimo, onde o mestre me chamava de “raridade na crônica brasileira”. Fora a cereja do bolo: dividir a mesa de lançamento, no Rio, com Rolando Boldrin.

O Sr. Brasil estava colocando nas prateleiras, pela mesma casa editorial, o livro Contando Causos. O Estadão, de 5 de junho de 2001, descrevia assim a obra:

“Para não perder a oralidade das histórias, Rolando Boldrin inspirou-se em uma dupla literária de forte tradição popular: os paulistas Juó Bananère e Cornélio Pires. Do autor de La Divina Increnca, valeu-se do patois falado pela colônia italiana de São Paulo para reproduzir o linguajar do tabaréu, enquanto teve no segundo um modelo e exemplo de autêntico divulgador da cultura popular”.

A presença do contador de causos mais querido do Brasil no estande fez com que O Caseiro do Presidente vendesse mais do que garrafa de água mineral em congestionamento. Quem levava o livro dele, já pegava o meu.

Pelas 18 horas, o editor nos acomodou num táxi e fomos os dois pegar a ponte aérea no Santos Dumont. Começaria ali a melhor parte da jornada. Se presenciar Rolando Boldrin contando causos na TV já é inefável, imagine ao vivo, e ainda com a possibilidade de interagir.

No bar do aeroporto brindamos aos lançamentos triscando nossas taças de vinho. Durante todo o voo, Boldrin me contou bastidores, opinou sobre artistas, filmes, canções. Falou ainda com orgulho do neto, Marcus, que é comandante da LATAM.

Por meu lado, pude lhe revelar as minhas favoritas em sua voz: Cavalo zaino e Minas Gerais

Em Congonhas, nos abraçamos, e ele não me viu mais. Mas continuei o encontrando, sempre, em seu programa. Até que um dia recebi um presente inesperado ao ligar a TV: Boldrin fazia o recitativo de Deusdéti, que compus para o Língua de Trapo.

Adeus e obrigado, nhô pai!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247