Aécio, Temer e Gilmar querem 20 anos de poder

"Os três – Aécio, Temer e Gilmar – ao mesmo tempo em que se protegem um ao outro ditam a pauta nacional que destrói direitos trabalhistas e promove uma grande liquidação do patrimônio brasileiro e pretendem continuar ditando por muito tempo. Uns 20 anos. O governo Temer , que não possui voto popular, só tem dois caminhos para se perpetuar no poder: parlamentarismo ou ditadura", diz o colunista Alex Solnik; "Eles até vão deixar o povo escolher o presidente em eleições livres e diretas, mas ele não vai mandar nada. Vai ser uma rainha da Inglaterra. Mesmo que se chame Lula"

Michel Temer Aécio Neves
Michel Temer Aécio Neves (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

  Faz-me rir o mimimi do PMDB exigindo de seu chefe máximo, Temer, a cabeça (branca) do Imbassahy.

   São péssimos atores. Eles sabem muito bem que Temer jamais vai fazer isso porque não é maluco de mexer com quem é olhos e ouvidos de Aécio no governo.

   Tirar Imbassahy só se for para colocar outro tucano no lugar, mas para que trocar seis por meia dúzia?

   Então por que o mimimi?

   Porque, como já se cantava nos velhos carnavais de rua, quem não chora, não mama.

   E os peemedebistas querem mais em contrapartida à permanência do tucano.

    Temer e Aécio têm muito mais coisas em comum que malas de dinheiro na biografia.

    E estão casados até que a morte (política) os separe.

    Mas eles não poderiam ser o que são nem fazer o que fazem nem sair ilesos do que fazem se não tivessem a toga amiga de Gilmar Mendes no STF e no TSE.

   É um Gilmar que vale por dois. Ele aconselhou Temer a colocar Alexandre de Moraes no STF e Raquel Dodge na chefia da PGR, que são e serão esteios firmes desse governo que não quer acabar em 2018 como preconiza o calendário eleitoral.

   Temer e Aécio não são ingratos com Gilmar, de jeito algum. Se houver alguma séria ameaça de impeachment do magistrado, lá estarão os senadores do PSDB e do PMDB para matar no peito.

   Temer agradece aos bons préstimos de Gilmar, que tem sido seu advogado desde a crise JBS através dos polpudos patrocínios da Itaipu Binacional – que não será privatizada – aos seminários do ministro, até mesmo em Portugal, como li recentemente na revista Piauí.

   Não faltam, portanto, mimos de parte a parte.

   Quanto mais o trio convive, mais seus integrantes se parecem.

   Temer está cada vez mais parecido com Gilmar. Sua última declaração – “eu recebo quem eu quero, na hora que eu quero, no lugar que eu quero” – parece retirada do repertório impiedoso do vitalício ministro do STF.

   Os três – Aécio, Temer e Gilmar – ao mesmo tempo em que se protegem um ao outro ditam a pauta nacional que destrói direitos trabalhistas e promove uma grande liquidação do patrimônio brasileiro e pretendem continuar ditando por muito tempo. Uns 20 anos.

   O governo Temer , que não possui voto popular, só tem dois caminhos para se perpetuar no poder: parlamentarismo ou ditadura.

   Ditadura assim, explícita e descarada, como propõe o Bolsonaro não está com essa bola toda, ainda, mas o parlamentarismo eles vão tentar enfiar goela abaixo dos brasileiros, e já começaram a falar nisso, vendendo como uma coisa “moderna”.

   A constituição exige plebiscito em caso de mudança de sistema de governo, mas o Congresso pode tudo, como estamos cansados de ver – e em 1961 aprovou o parlamentarismo contra a vontade popular.

   Vão dar um jeito de mudar as regras eleitorais de forma que os que estão lá no Congresso se reelejam sem o risco de serem rejeitados pelos eleitores e depois elejam o mandachuva da nação, o primeiro-ministro.

   Pode ser o próprio Temer. Afinal, ele tem sido o grande benfeitor dos deputados que cooptou.

   Cunha está na cadeia – e parece que não sai tão cedo porque não mostra disposição de dizer tudo o que sabe.

   Rei morto, rei posto.

   Eles até vão deixar o povo escolher o presidente em eleições livres e diretas, mas ele não vai mandar nada.

   Vai ser uma rainha da Inglaterra. Mesmo que se chame Lula.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247