Ai, ai ai ai... tá chegando a hora!

"Ou Jair Bolsonaro canta, sem chorar, uma canção de despedida, ou canta achando que a hora chegou e se lança num golpe", escreve Eric Nepomuceno, sobre a dança das cadeiras no governo

(Foto: Reuters | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Eric Nepomuceno, do Jornalistas pela Democracia

No original mexicano, que de tantas variações deixou de ter autor e passou a ser considerada de domínio popular, a letra da canção diz o seguinte: 

Ay, ay ay ay... canta y no llora...

PUBLICIDADE

A tradução brasileira, também sem autor conhecido, variou: 

Ai, ai ai ai... tá chegando a hora!

Pois tanto a versão mexicana quanto a nossa se aplica, e na veia, ao Jair Messias de agora. 

PUBLICIDADE

Ou ele canta, sem chorar, uma canção de despedida, ou canta achando que a hora chegou e se lança num golpe.

Já se sabe que ele extirpou o ministro da Defesa, general da reserva Fernando Azevedo e Silva, porque ele não quis demitir o comandante-geral do Exército, Edson Pujol 

E também para buscar um maior e mais explícito apoio militar a ele, o presidente Genocida.

PUBLICIDADE

O que vão fazer os comandantes das três Forças Armadas – Exército, Marinha e Aeronáutica – não se sabia até o momento em que escrevo, tarde da noite de segunda-feira.

Uma coisa, porém, é certa: são duas únicas saídas, e as duas são tremendamente assustadoras. 

Ou o Genocida consegue o apoio das Forças Armadas e dá um golpe, ou vai atrás da força das Policias Militares e das milícias armadas e alentadas por ele, e tentar, ele mesmo, dar o golpe. 

Jornalistas lembram que o total dos contingentes das Polícias Militares, mais os milicianos, são muito maiores, em número, que as Forças Armadas. Esquecem que com capacidade letal muito menor que Exército, Marinha e Força Aérea, as tais Polícias Militares podem fazer muito barulho, matar muita gente, e nada mais.

Podem provocar um morticínio, prender e torturar muita gente, mas podem ser rapidamente controladas.

Portanto, ir atrás de forças paralelas provocará outro – outro – genocídio absolutamente em vão.

Ou temos a alternativa: Jair Messias conseguir o apoio das Forças Armadas e dar, ele mesmo, o tal golpe tão anunciado e insinuado e esperado.

Em termos políticos, Jair Messias tem cada vez menos e menos apoio.

O Congresso está contra ele. Contra ele estão médicos, cientistas, pesquisadores, prefeitos, governadores, cidadãos com um mínimo de lucidez e decência. E o mundo.

A questão urgente, urgentíssima, é a seguinte: trocar o Genocida por um general reacionário, porém cordato, ou por quem????

A única coisa certa é que com Bolsonaro, desequilibrado, boçal, assassino e infeliz, não dá mais nem para uma semana.

Quem virá? E quando?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email