A ideologização causa mais um dano ao Itamaraty

Jornalista Tereza Cruvinel afirma que o chanceler Ernesto Araújo "compromete o respeitado concurso do Itamaraty" ao mudar o instituto responsável por sua aplicação, prejudicando sua isonomia na seleção dos candidatos. "Dificilmente este concurso vingará. Será judicializado e tem grandes chances de ser anulado, frustrando os concorrentes que passaram meses e até anos se preparando para o mais concorrido concurso público do país", diz ela

O concurso para a carreira diplomática, que começa pelo acesso ao Instituto Rio Branco, há anos é realizado pelo CESP, unidade da UnB que realiza concursos para a grande maioria dos órgãos públicos federais. 

Este ano, o chanceler Ernesto Araújo cismou que o CESP é muito “globalista” e determinou uma licitação para a escolha de outro realizador. Venceu, por menor preço, um certo Instituto Americano de Desenvolvimento-IADES. Resultado: houve tropeços grosseiros nas regras de correção das provas e, com o resultado já divulgado, todas terão que ser reavaliadas, por exigência do Ministério Público. 

Dificilmente este concurso vingará. Será judicializado e tem grandes chances de ser anulado, frustrando os concorrentes que passaram meses e até anos se preparando para o mais concorrido concurso público do país. A ideologização causa mais um dano ao Itamaraty.

Segundo o edital, as provas devem ser corrigidos com identidade apenas numérica, evitando que os membros da banca tenham qualquer informação sobre a identidade do concorrente. É a garantia do princípio da impessoalidade. Só depois, os números são associados aos nomes, os melhores colocados são selecionados e o resultado divulgado. Depois vem a fase de recursos. Mas antes dela o MPF tomou conhecimento do ocorrido e exigiu a reavaliação por critérios impessoais. Mas, obviamente, quem apareceu como aprovado na primeira lista e eventualmente for excluído, acabará contestando o resultado e recorrendo por todos os meios.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247