Articulação do Tesouro e do BC para dar dinheiro aos bancos

Um banco central articulado com o Tesouro, numa situação sem risco de inflação a médio prazo, como exatamente acontece nos Estados Unidos e também do Brasil em recessão, poderíamos reduzir drasticamente a taxa básica de juros. O problema é que somos papagaios de imitação dos norte-americanos em tudo, menos em política fiscal monetária



O Banco Central está possibilitando que os bancos privados ganhem quase 9% do Tesouro em operações ditas compromissadas, o que é um acinte em tempos de epidemia. Sem fazer absolutamente nada a não ser participar de uma jogatina no mercado financeiro, estão ganhando até 8,88% nos contratos mais longos (Bradesco), entupindo-se de dinheiro na base de enriquecimento sem causa.

A “culpa”, segundo o Banco Central, é do “mercado”, que não aceita taxas mais baixas, mesmo que sejam mais de quatro vezes a taxa básica da Selic. Pois bem, porque nosso Banco Central não faz igual ao norte-americano, que em circunstâncias análogas simplesmente inundaria o mercado de dinheiro, a partir de simples emissão, para forçar a baixa das taxas no mercado pela sagrada lei da oferta e da procura. Acontece que isso não agradaria aos bancos.

Para eles, o importante é um mercado sem liquidez, a fim de forçar para cima a taxa de juros. Um banco central articulado com o Tesouro, numa situação sem risco de inflação a médio prazo, como exatamente acontece nos Estados Unidos e também do Brasil em recessão, poderíamos reduzir drasticamente a taxa básica de juros. O problema é que somos papagaios de imitação dos norte-americanos em tudo, menos em política fiscal monetária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tudo isso é comandado por um Banco Central que, tecnicamente, seria dependente do governo, na medida em que, para o bem do povo, sua Diretoria poderia ser demitida ad nutum em defesa de uma política monetária coerente. Imagine, agora, se fosse um banco central independente, como querem alguns oportunistas do mercado e políticos idiotas completamente ignorantes de como funciona a política fiscal-monetária?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email