As sanções imperialistas e a maldição do dólar

Desde o final da II Guerra Mundial, o mundo está submetido ao dólar estadunidense como moeda da transação internacional

www.brasil247.com -
(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)


Por Jair de Souza

Desde o final da II Guerra Mundial, o mundo está submetido ao dólar estadunidense como moeda da transação internacional.

A partir de 1971, com o fim do lastreamento do dólar com o ouro, o mundo passou a operar com base numa moeda inteiramente vinculada aos caprichos das autoridades monetárias dos Estados Unidos. Foi este mecanismo que possibilitou que a economia estadunidense entrasse numa fase de parasitismo como nunca antes havia sido visto na história da humanidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sendo o dólar a moeda fiduciária internacional e sem necessidade de estar amparada em reservas em ouro para sua validade, os Estados Unidos passaram a se despreocupar com a questão de seu déficit orçamentário. Afinal, qualquer desequilíbrio que viesse a surgir seria compartilhado (na verdade, transferido) ao restante do mundo. Bastava emitir mais dólares e as contas seriam acertadas. E isso os Estados Unidos poderiam fazer sem dificuldades.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto, este poderosíssimo esquema de manipulação financeira permitiu aos Estados Unidos expandir e fortalecer seu domínio ao redor do planeta sem depender da força e pujança reais de sua economia.

Com isso, puderam suportar os custos de alastrar suas bases militares para todos os rincões da Terra. Hoje, elas são mais de 750, em todos os continentes, prontas para serem acionadas no momento em que os Estados Unidos sintam que seus interesses são ameaçados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É esta dominação financeira que também possibilita ao capital financeiro estadunidense ter enormes ganhos sem mover um dedo para tal. Quando, por exemplo, o Brasil vende soja para a China, ou quando os chineses nos vendem componentes eletrônicos, não são apenas os brasileiros e chineses que ganham com as operações. Aparece um terceiro que, sem desempenhar nenhum papel real nas operações, abocanha uma boa fatia do bolo: os Estados Unidos.

E tudo se dá devido às transações serem feitas em dólares.

Com este poderio advindo do controle da moeda internacional, os Estados Unidos passaram, inclusive, a desapropriar (roubar) recursos de países com os quais estivessem em desentendimento. Tanto assim que vários países já se viram privados (roubados) de recursos de sua propriedade pelas instituições financeiras sob o comando dos Estados Unidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim se deu com a Líbia há pouco mais de dez anos, com o Irã e, mais recentemente, com a Venezuela, que teve suas reservas em ouro confiscadas (roubadas) na Inglaterra por ordem dos Estados Unidos.

Porém, como desta vez a medida de confisco (roubo) foi aplicada contra um país que tem mais condição militar para reagir, a Rússia, é possível que se abram caminhos que venham a livrar o mundo da maldição do dólar.

Neste sentido, gostaria de recomendar que vissem com atenção os pontos levantados neste curto vídeo do link dado ao final. Ali, estas questões são debatidas e algumas perspectivas de solução são apresentadas.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email