Balança comercial: superávit que esconde o novo pacto colonial

O saldo positivo da balança comercial esconde dados que precisam ser olhados com cautela. Subiu a venda de produtos de base (as famosas commodities) e dos semimanufaturados. Ou seja, voltamos ao pacto colonial, com balança comercial positiva, mas com resultados que maquiam nossa política subalterna

Exportações baianas
Exportações baianas (Foto: Luiz Henrique Dias)

Celebrado pelo Governo e por setores da imprensa, o saldo positivo da balança comercial brasileira, divulgado nesta terça-feira (02), e considerado o maior desde 1989, esconde dados que precisam ser olhados com cautela. 

Em primeiro lugar, o valor nominal das exportações não é recorde, mas sim a diferença entre exportações e importações. Para se ter como exemplo, o volume de exportações de 2017 é 16% menor que o de 2011. 

Outro dado importante é a queda das importações - resultado direto da queda no consumo das famílias e do desemprego - e das exportações de produtos manufaturados, muitos produzidos com tecnologia nacional.

A compra de máquinas industriais caiu quase 12%, ampliando o cenário de desindustrialização do país, também puxado pra baixo pela afunilamento dos recursos para pesquisa e inovação. 

Subiu, no entanto, a venda de produtos de base (as famosas commodities) e dos semimanufaturados, sendo que o aumento dos valores de mercado do ferro e petróleo ajudaram no resultado. 

Voltamos ao pacto colonial, onde nossa balança comercial sempre foi positiva, mas com resultados que servem apenas de maquiagem para esconder nossa política subalterna.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247