Basta de Bolsonaro, fora Bolsonaro

"A luta pelo afastamento de Bolsonaro entrou na ordem do dia. Outra discussão é a exequibilidade disto no curto prazo, a forma ou momento em que isto ocorrerá", escreve o jornalista José Reinaldo Carvalho, editor internacional do Brasil247.

(Foto: Alan Santos/PR | Mídia Ninja)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, por José Reinaldo Carvalho, do Jornalistas pela Democracia - "Basta de Bolsonaro", "fora Bolsonaro", "renúncia", "impeachment" e outras expressões equivalentes têm sido veiculadas intensamente nos últimos dias, desde o pronunciamento em rede de TV do ocupante do Palácio do Planalto em 24 de março. Agora ainda mais, depois dos acontecimentos deste domingo (29) nas cidades satélites do Distrito Federal.  

As janelas não dizem outra coisa durante os panelaços. 

De uma maneira ou outra, todas estas palavras de ordem significam a mesma coisa, apontam objetivamente na mesma direção - o afastamento de Jair Bolsonaro da Presidência da República. Esta é a ideia-força, o sentimento preponderante, o fator que pode dar liga, consistência e força a um amplo movimento oposicionista no Brasil nestes tempos trágicos para o nosso país e a humanidade. 

Diuturnamente, Jair Bolsonaro excede-se em declarações e atitudes que agridem a democracia, o bom senso, a opinião majoritária da sociedade. A rigor, isto não é uma novidade, mas seu comportamento habitual desde que se tornou uma figura política, candidato a presidente e, por força das circunstâncias decorrentes do golpe de Estado de 2016, titular do Poder Executivo a partir de 1º de janeiro do ano passado. Não foi agora que se tornou um reacionário, defensor das piores causas e das mais obscuras ideias. 

O que há de novo é que, finalmente, grande parte da opinião pública e das forças políticas nacionais acabaram percebendo o quanto o inquilino do Alvorada agride os anseios democráticos, as conquistas sociais e põe em risco a sobrevivência da nação e do povo, ao opor-se às indispensáveis medidas preventivas e de controle de uma epidemia devastadora que pode tornar-se uma tragédia nacional.   

Agora se afigurou também com maior clareza para quem estava desprevenido o quanto Bolsonaro afronta as instituições, a Constituição, as leis e o prestígio do país. Vai ficando claro o caráter da orientação política daquelas forças que pavimentaram as condições para a sua chegada ao poder. Agora, estas forças e até mesmo setores das Forças Armadas começam a emitir sinais de desconforto com o descalabro em que se tornou a gestão do país sob o governo Bolsonaro e a ameaça que representa. 

O afastamento de Bolsonaro da Presidência da República tornou-se uma questão de emergência e salvação nacional. 

O cenário é ainda mais complexo e perigoso para o país na medida em que o gigante do Cruzeiro do Sul vai transformando-se sob Bolsonaro num anão geopolítico - assinalando um enorme retrocesso em nossa história, porquanto um dos grandes saltos que o Brasil deu no período dos governos democráticos de Lula e Dilma foi a inserção soberana no mundo globalizado, desempenhando o país o papel de polo aglutinador de forças da independência, do desenvolvimento compartilhado e da paz. Disso já começa a dar nota a mídia corporativa e conservadora do mundo ao veicular artigos mencionando a luta das forças democráticas brasileiras pelo afastamento de Bolsonaro. O seu desempenho pífio na reunião do G-20, realizada na semana passada por videoconferência, e a partir deste domingo (29), o recuo de Donald Trump admitindo a urgência de implementar medidas de isolamento social na pandemia, expuseram ainda mais a baixa estatura daquele que ocupa o posto de chefe de Estado e Governo no Brasil. 

A luta pelo afastamento de Bolsonaro entrou na ordem do dia. Outra discussão é a exequibilidade disto no curto prazo, a forma ou momento em que isto ocorrerá. Este debate não pode ser pretexto para a exposição de um traço político que seria mortal para forças democráticas e progressistas - a pusilanimidade. 

Assim, basta de Bolsonaro, fora Bolsonaro, é o que devem propor essas forças. Que se reúnam com espírito patriótico em busca das soluções adequadas para os impasses nacionais. A dinâmica dos acontecimentos será sempre uma referência para balizar ações. Na crise política com as proporções que esta toma, todas as forças organizadas cavam trincheiras. O que não devemos é cavar sepulturas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247