'Bolsolão': como varrer um escândalo para debaixo do tapete

"O céu parece ser o limite para a condescendência dos barões da imprensa e seus porta-vozes com as molecagens golpistas e criminosas de Bolsonaro", escreve o jornalista Bepe Damasco

(Foto: Pedro França/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Bepe Damasco

O mundo desabaria se viesse à tona a informação de que os governos Lula e Dilma tinham um orçamento paralelo, no valor de R$ 3 bilhões, com o objetivo de comprar parlamentares, na forma de distribuição clandestina de emendas para seus redutos.

E se, para tornar ainda grave a história, o esquema fosse operado pelos presidentes da Câmara e do Senado? Faço ideia do latifúndio de tempo que o Jornal Nacional dedicaria à denúncia e das capas histriônicas da Veja a condenar sem julgamento os acusados.

O jornal O Estado de São Paulo, bastião do conservadorismo e do reacionarismo mais empedernidos, publicou no último fim de semana reportagem consistente e com riqueza de dados e detalhes sobre o orçamento secreto do governo Bolsonaro, fora do alcance do controle público.

Mas e daí? E daí nada? Na tarde desta segunda-feira (10) consultei os dois sites noticiosos mais importantes do cartel da mídia. Resultado: no G1, do grupo Globo, nenhuma linha; no UOL, do Grupo Folha, precisando de lupa para ler, estavam lá duas notícias devidamente escondidas: uma dando conta de um pedido de investigação feito pelo líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon, e outra chamando para um artigo do bravo Ricardo Kotscho.

Ou seja, um procedimento a anos luz de distância do jornalismo de guerra do tempo dos governos petistas. Mas a tática tem nuances e sutilezas, feitas sob medida para enganar os trouxas.

Dar uma notícia desta gravidade e depois esquecer o assunto, como tem sido o comportamento padrão da imprensa em relação a boa parte dos incontáveis crimes cometidos por Bolsonaro, não contribui para criar massa crítica na sociedade e acaba levando o caso ao esquecimento.

Funciona também como um protocolar desencargo de consciência editorial, coisa do tipo: “ué, mas nós demos a matéria.” Sim, mas sem a ênfase, a sequência, a cobrança e os desdobramentos que casos de desvio de dinheiro público merecem.

Nesta terça-feira (11), vejo que o jornal O Globo e seu principal escriba Merval Pereira também trataram do episódio, mas certamente o fizeram para “cumprir tabela.”

O céu parece ser o limite para a condescendência dos barões da imprensa e seus porta-vozes com as molecagens golpistas e criminosas de Bolsonaro.

Tirante um ou outro colunista liberado por seus patrões para desossar o bolsonarismo e assim dar uma roupagem ao veículo de jornalismo comprometido com os bons valores, a maioria da imprensa tem feito jogo de cena, fingindo indignação com Bolsonaro. Esse é um dos principais motivos para o impeachment ainda ser uma miragem. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email