Bolsonarização de cúpula militar expõe e desgasta Forças Armadas

A jornalista Helena Chagas afirma que é o caso de se indagar como a "bolsonarização" da cúpula militar e o "estrago" na imagem da instituição estão sendo recebidos por oficiais da ativa. "Há indicações de muita insatisfação e efervescência, que não transparece porque, diferentemente dos outros, estes prezam a disciplina militar de não se manifestar politicamente"

www.brasil247.com -
(Foto: Agência Brasil)


Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

Aconteceu do jeitinho que Jair Bolsonaro queria quando, há pouco mais de três meses, demitiu o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e forçou a troca dos comandantes das três Forças. "Bolsonarizada", agora a cúpula das Forças Armadas atua politicamente a favor do governo, o que seus antecessores, defendendo-as como instituição a serviço do Estado - e não de governos - recusavam-se a fazer. O outro lado da moeda é que os militares passaram a ser vidraça e entraram no alvo de investigações de corrupção. 

É essa, mais do que o desejo de defender o presidente, a origem da nota ameaçadora contra o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz, na semana passada. Foi uma reação do ministro  Braga Netto, à maré das investigações. As águas já alcançaram as orelhas do ex-secretário executivo da Saúde, coronel Élcio Franco, o pescoço do ex-ministro Eduardo Pazuello e, ao que parece, começam a molhar as canelas do ministro da Defesa - que, como chefe da Casa Civil, coordenou do Planalto as ações relativas à pandemia e à compra de vacinas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Braga Netto, antes de tudo, está tentando se defender e evitar um desmoralizante depoimento na CPI. Há dúvidas se realmente ele constrangeu os comandantes do Exército, Paulo Sergio, da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Batista, e da Marinha, almirante Almir Garnier, como se propaga por aqui. Ao menos os dois últimos deram sinais, em entrevistas e posts nas redes, de que apoiam as duras palavras ali colocadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas é o caso de se indagar como essa "bolsonarização" da cúpula militar, e o consequente estrago na imagem da instituição, estão sendo recebidos pelos demais oficiais da ativa, inclusive do Alto Comando do Exército, que sempre manteve a defesa de posturas profissionais. Há indicações de muita insatisfação e efervescência, que não transparece porque, diferentemente dos outros, estes prezam a disciplina militar de não se manifestar politicamente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A declaração matinal do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, de que haverá sim, eleições em 2022, contrariando a ameaça de Bolsonaro na semana passada, foi interpretada por políticos como um bom sinal. Com mais liderança no Exército do que Braga Netto, Mourão teria falado também para dentro - além, obviamente, de fazer o contraponto político previsível que qualquer vice de um presidente tão enfraquecido quanto Bolsonaro faria. Na véspera, pesquisa Datafolha mostrou inversão das preferências populares sobre o impeachment: agora, 54% o apóiam.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email