Bolsonaro assina compras secretas nos Estados Unidos

Trata-se de uma violação direta da Constituição. Se não reagir a esse esbulho de sua autoridade, o Congresso pode fechar as portas e entregar o poder absoluto a Bolsonaro, antes mesmo que ele o conquiste com as manifestações do dia 15

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Presidente da República pode muita coisa. Mas uma das coisas que o Presidente da República não pode fazer é assinar acordos secretos, inclusive de caráter militar, com uma potência estrangeira. Contudo, foi justamente isso que Jair Bolsonaro foi fazer nos Estados Unidos. De acordo com a repórter Ingrid Soares, numa longa matéria a respeito da viagem presidencial encerrada no dia 10, o Presidente anunciou a realização de acordos “reservados” nas áreas econômicas e de desenvolvimento de material militar.

Trata-se de uma violação direta da Constituição. Se não reagir a esse esbulho de sua autoridade, o Congresso pode fechar as portas e entregar o poder absoluto a Bolsonaro, antes mesmo que ele o conquiste com as manifestações do dia 15. Ou alguém duvida de que, se não houver um bloqueio das pretensões de Bolsonaro, ele acabará como ditador pessoal, isto é, um ditador que não tem sequer controles legais indiretos? Na verdade, é patético que a grande mídia, uma das suas futuras vítimas, não tenha ainda se dado conta disso.

Em face de instituições civis corrompidas e inúteis, a saída, queiram ou não, é o Alto Comando do Exército, a única força que pode parar Bolsonaro e suas milícias. E que isso seja feito logo, pois daqui a pouco o próprio Alto Comando estará cercado por policiais militares amotinados, como parece ser no caso do Ceará. Quanto a preconceitos contra a intervenção cirúrgica dos militares no poder civil, em caráter emergencial e provisório, que vão para os diabos: a alternativa é dar o poder absoluto a Bolsonaro e família, e isso só louco aceitaria!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247