Brasil em quarentena

Jair Bolsonaro "não preside o país", diz o sociólogo Emir Sader. "A única coisa que funciona é o ministério da Economia, que se concentra em terminar de desmontar o Estado, em privatizar e desregulamentar a economia e favorecer todas as condições para os investimentos", afirma. "O Brasil, o povo brasileiro, se sentem órfãos, descuidados, aos Deus dará"

www.brasil247.com -
(Foto: Alan Santos - PR)


O país não tem mais governo. O sonho da direita do Estado mínimo se realiza. O reinado do mercado se impõe sobre a economia e a mercantilização sobre toda a sociedade.

Tudo se transforma em mercadoria: educação, saúde, cultura – tudo. Tudo tem preço, tudo se compra, tudo se vende. A sociedade se transforma num shopping center, onde tudo é comércio, ninguém tem direitos, o que conta é o poder de compra.

Não há governo. O presidente não preside o país. A única coisa que funciona é o ministério da Economia, que se concentra em terminar de desmontar o Estado, em privatizar e desregulamentar a economia e favorecer todas as condições para os investimentos.

Ainda assim, a economia não anda, muitos milhões de pessoas estão desempregadas ou em trabalhos precários. Apesar de todas as vantagens concedidas aos empresários, não há investimentos. Ao contrario, há fuga de capitais e o groso dos investimentos vai para a especulação, para a bolsa de valores.

O Brasil, o povo brasileiro, se sentem órfãos, descuidados, aos Deus dará. O povo se sente fragilizado, sem atenção, sem proteção. Se perde o emprego, tem que aceitar o que aparecer, nas condições que lhe forem oferecidas. É vítima da violência, das catástrofes naturais, da polícia, da falta de escolas e de hospitais.

Principalmente o país não tem presidente. Ele se comporta como uma pessoa, um membro de milícias, que se preocupa em defender os filhos das enrascadas em que eles estão metidos. Não preside o pais, nem sabe o que é presidir. Quando se diz que não tem decoro, se trata de um comportamento cafajeste, sem qualquer consideração pelos outros, que agride, com linguagem chula, palavrões.

Num momento como este, em que os presidentes os países – EUA, China, Russia, Franca, Espanha, Argentina, todos – se comportam como estadistas, se assumem como governantes de todos, aparecem para o país como representante de todos diante de uma ameaça para todos – o daqui se mostra menor ainda. Age com picuinhas, dando banana pros jornalistas e, através deles, para todos que não concordam com ele. A própria mídia diz que a crise brasileira não vem dos efeitos da recessão economica internacional, nem do vírus, mas da falta de uma autoridade que dirija o país.

A ausência de governo fica mais evidente ainda na crise. Economicamente, o Guedes tentou se aproveitar para, como sempre, concentrar na suposta necessidade de aprovar os novos projetos do governo, como única forma de reagir diante da crise. Como fizeram sempre diante de outras crises, mas a aprovação dos projetos neoliberais so deixaram ainda mais fragilizado o pais diante dos problemas que enfrenta. Tentou nao tomar medida alguma de defesa diante da recessão, mas teve que tomar algumas, ainda que pífias. 

O país se encontra ao Deus dará. Cada vez mais gente gostaria, por umas ou outras razoes, que ele nao fosse mais o presidente do Brasil. Mas ele se tornou indispensável para a direita, que colocou ele la, está contente com sua política econômica, e não tem mais outros dirigentes. Tem esses, que sao as pessoas menos confiáveis no Brasil, aquelas em que ninguém acredita. 

Cada vez mais gente está afim do Fora Bolsonaro! Temos um presidente e um governo que não se comporta como o país precisa. Que aumenta a instabilidade e a insegurança, porque a explora para se afirmar, mas gera os sentimentos que as pessoas menos precisam hoje. Os brasileiros precisam de uma economia que volte a crescer, que gere empregos, que de oportunidades para as pessoas. Precisam de governantes com legitimidade, que governem para todos. 

Não bastasse tudo isso, uma delegação do governo faz uma viagem desastrosa aos EUA, pegando e espalhando vírus. O que de melhor o governo poderia fazer seria dissolver-se. Não faz falta. Só atrapalha. E daria lugar para o que pais saísse da quarentena atual mais forte, mais confiante, melhor, com um outro governo, que cuidasse do país e do seu povo, o que só pode se dar com o resgate da democracia.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email