Breves palavras sobre as manifestações e a crise política em Hong Kong

a esquerda precisa estudar e compreender a situação. Mas além disso, separar o joio do trigo: Nem fazer a defesa acrítica e cega do regime chinês e nem repetir e acreditar que tudo que acontece alí é maquinação do imperialismo

www.brasil247.com -
(Foto: Sputnik)


As manifestações em Hong Kong são autenticamente populares e surgiram por variados motivos. 

Alguns: 1. As condições de vida e trabalho são péssimas para os trabalhadores e os pobres. Eram assim durante a dominação britânica e continuam as mesmas com o estado chinês capitalista. Vejam as condições horrorosas de moradia para citar apenas um exemplo breve e sumário. 

2. Reivindicações de caráter democrático. O governo local, indicado pela direção chinesa, é autocrático, controlado por seis famílias biolionarias de banqueiros e grandes comerciantes em aliança com o estado chinês. A mesma classe dominante do período de dominação britânica. É uma legítima reivindicação por democracia. Isto não mudou com a volta da ilha para o controle do Estado Chinês. 

3. A maioria das organizações trabalhistas, movimentos sociais, e a esquerda local participam das manifestações e defendem as bandeiras da democracia e reivindicações sociais concretas de caráter local.

4. Não há defesa de separatismo ou ruptura com o modelo adotado de " um país e dois sistemas". A maioria das pessoas querem melhores condições de vida, trabalho e extensão da democracia...Nem todos têm direito ao voto em Hong Kong. 

5. Ação imperialista. Claro que há, é um movimento em disputa, há interesses financeiros, comerciais e geopolíticos em jogo. O estado chinês com sua postura autoritária e conservadora está facilitando o jogo do imperialismo. Setores da esquerda fazem confusão quando embaralham tudo num pacote retórico simplificado e falso tipo "ação do imperialismo para desestabilizar a China", "guerra híbrida", comparação com a primavera árabe", etc. 

O buraco é mais embaixo...Chavões retóricos e as velhas fórmulas mentais ultrapassadas não respondem para o entendimento da real situação de Hong Kong e da China em conjunto. A restauração capitalista na China, diferente da antiga URSS e do leste europeu, alcançou notáveis ganhos de produtividade e garantiu a expansão do ciclo do capital em uma sociedade atrasada há 40 anos atrás. 

Lá foi possível uma acumulação capitalista primitiva sob controle do Estado e com um regime de partido único de caráter antidemocrático. Lá não existe democracia na fábrica e nem nas estruturas de Estado. 

Esse ciclo expansivo capitalista (que perde força em função da crise mundial do próprio sistema) tirou milhões de chineses da pobreza e criou também uma classe média endinheirada e com hábitos de consumo ocidental, que em sua maioria apoia o regime. 

O espaço é pequeno para tratar de um fenômeno tão complexo e cheio de variáveis como é a China hoje. Porém, a esquerda precisa estudar e compreender a situação. Mas além disso, separar o joio do trigo: Nem fazer a defesa acrítica e cega do regime chinês e nem repetir e acreditar que tudo que acontece alí é maquinação do imperialismo. 

Uma visão maniqueista do problema é apenas uma visão de um torcedor primitivo e religioso. O que ocorre em Hong Kong é a velha luta de classes com reivindicações legítimas e concretas por democracia e melhores condições de vida. 

Hong Kong pode ser tornar uma entaladela para o estado chinês...Até o momento a tradicional habilidade do Estado Chinês tem enfrentado sérias dificuldades para tratar de uma solução progressista para a crise de Hong Kong. 

Na minha opinião, a esquerda deve prestar total solidariedade e empatia aos trabalhadores da Ilha e do continente chinês, que há 70 anos acreditaram na perspectiva da emancipação social e nacional do antigo e milenar território do Império do Meio. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247