Bruno e Dom eram alvos da política de terror e devastação do governo militar

"O macabro assassinato deles é consequência lógica das escolhas do governo dos generais", escreve Jeferson Miola

www.brasil247.com - Bruno Pereira e Dom Phillips
Bruno Pereira e Dom Phillips (Foto: Reprodução)


Bruno Pereira e Dom Philips foram vítimas das estruturas econômicas criminosas que se expandiram e se infiltraram livremente sob os auspícios do governo militar do Bolsonaro.

O macabro assassinato deles é consequência lógica das escolhas do governo dos generais, que haverão de ser responsabilizados nos tribunais nacionais e internacionais por mais um crime pavoroso contra a humanidade.

Bruno e Dom eram entraves ao genocídio dos povos originários e à devastação das florestas e territórios indígenas, onde florescem com fecunda facilidade a pesca e a caça ilegal, o narcotráfico, o garimpo, a mineração, a pistolagem e o desmatamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em razão disso, Bruno e Dom viraram alvos que algum dia, mais cedo ou mais tarde, deveriam ser exterminados. E este dia finalmente chegou, em 5 de junho, na Terra Indígena do Vale do Javari.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No estudo “Um retrato da FUNAI sob o governo Bolsonaro” o INESC [Instituto de Estudos Socioeconômicos] e a associação Indigenistas Associados [INA] retratam a profunda interface da política anti-indígena da FUNAI com o projeto do governo militar de colonização e exploração econômico-empresarial das terras indígenas e da região amazônica.

As posturas genocidas do governo militar em relação aos indígenas durante a pandemia da COVID integram o mosaico de medidas e práticas criminosas – oficiais e de grupos privados – que atentam contra a existência dos povos originários e contra a preservação climática e ambiental.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O debilitamento e o desmonte da institucionalidade tanto estatal como não-estatal de proteção indígena e ambiental; a redução orçamentária e o corte de verbas; a perseguição a técnicos, o abandono da fiscalização e, ainda, a militarização e o policiamento da gestão da FUNAI, dentre outras questões, conformam um ambiente propício, idealizado pelo próprio governo para a consecução do plano de colonização e dominação da região por modelos econômicos criminosos.

A FUNAI é presidida por um delegado da Polícia Federal. “Quase não se notam experiências de atuação com a política indigenista, ou mesmo com cargos de direção em administração pública. Alguns deles, inclusive, definem-se como ‘pecuaristas’, e não escondem suas alianças com o agronegócio”, conclui o estudo.

Das “39 Coordenações Regionais da Funai, apenas duas têm como chefes titulares servidores do órgão”, sendo que “17 [são] militares, três policiais militares, dois policiais federais e seis profissionais sem vínculo anterior com a administração pública”. Além disso, constata o estudo, “o presidente da Funai, Marcelo Xavier, trocou todos os cargos DAS-4 existentes no órgão, nomeando, também aqui, militares e policiais para grande parte deles”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O “retrato da FUNAI sob o governo Bolsonaro” deixa evidente a relevância central do aparelhamento e controle da FUNAI para a execução radical do projeto anti-indígena do governo militar.

O problema, porém, é que no meio do caminho deste projeto oficial estavam o indigenista brasileiro Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Philips que, por isso, precisavam ser eliminados.

Bolsonaro não só conhecia, como odiava Dom Philips. Ele chegou a dizer que “esse inglês era mal visto na região, porque fazia muita matéria contra garimpeiros, questão ambiental, então, naquela região lá, que é bastante isolada, muita gente não gostava dele. Ele tinha que ter mais que redobrada atenção para consigo próprio e resolveu fazer uma excursão”, declarou com extrema torpeza o Aberração do Planalto [14/6].

Bolsonaro já esteve quase lado a lado de Dom, apenas com o general Augusto Heleno entre eles. Isso aconteceu numa entrevista coletiva em julho de 2019, quando Dom mencionou o “crescimento assustador dos desmatamentos” e perguntou a Bolsonaro: “Como o senhor Presidente entente e pretende convencer, mostrar para o mundo que realmente o governo tem uma preocupação séria com a preservação da Amazônia?”.

Bolsonaro respondeu com rispidez, raiva e intimidação. “Primeiro você tem que entender que a Amazônia é do Brasil, não é de vocês. A primeira resposta é isso daí”, disse a Dom, complementado que “nenhum país do mundo tem moral pra falar sobre a Amazônia”.

Agressivo, Bolsonaro passou a interpelar Dom: “Para que tanta ONG na Amazônia, já que estão tão preocupados com o meio ambiente e o ser humano? Responda pra mim isso aí, será que o interesse de vocês é com o ser humano ou é outro interesse futuro nessa área?”, insistiu.

Reportagem de Pedro Grigori no Correio Braziliense [14/6] registra que em 26 de setembro de 2021, pouco mais de dois anos depois da entrevista, Bolsonaro “repostou o vídeo da pergunta de Dom Phillips como um exemplo da ‘cobiça de sempre’ pela Amazônia”.

A matéria menciona que Dom “ficou muito abalado com a republicação do vídeo”, e que ele “passou a receber ataques de bolsonaristas” com o assobio do Bolsonaro à matilha fascista.

O indigenista Bruno Pereira, que também era conhecido e também era alvejado pelo governo militar devido à condição de notório inimigo dos agressores dos seus maiores amigos, os indígenas do Vale do Javari, foi tirado do caminho.

Ele foi demitido da Coordenação de Indígenas Isolados e de Recente Contato da FUNAI na gestão do ex-ministro bolsonarista da Justiça Sérgio Moro em outubro de 2019, três meses depois da entrevista na qual o jornalista Dom ficou marcado para morrer.

Alguns dias antes de desaparecer, Bruno alertou que sua vida corria perigo.

A eliminação de Bruno e Dom, “profilática” para o avanço do mundo do crime na Amazônia, também objetiva gerar exemplo atemorizador e intimidar ativismos pró-indígenas e ambientalistas infundindo medo, terror e pânico.

Bruno e Dom eram alvos da política de terror e devastação do governo militar. Agora se tornaram vítimas mortais da guerra de ocupação do Brasil na qual as Forças Armadas atuam como garantidoras do brutal processo de pilhagem e saqueio do país.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email