Cavando o próprio buraco

"O homem do buraco acabou sendo preso e julgado por falsidade ideológica, formação de quadrilha e distúrbio da ordem pública. Nunca mais o buraco foi fechado"

www.brasil247.com -
(Foto: Miguel Paiva)


Por Miguel Paiva, para o 247 

Aquela figura ali no meio da praça cavando seu próprio buraco já tinha se tornado familiar para quem passasse pelo local. Pra dizer a verdade, ele já estava famoso em todo o país porque os jornais falavam muito dele. Mas o homem parecia não se abalar. Continuava cavando seu buraco. As pessoas que passavam por ali às vezes jogavam uma moeda, outras o próprio lixo além daqueles que xingavam ou apoiavam. Apoiavam, mas não faziam nada. Ele também não dava mais importância. Nem olhava para cima. Continuava cavando e cavando. As vezes mudava de pá, às vezes usava uma picareta e em casos raros, uma britadeira.  

O buraco crescia e ele não parava. A polícia apareceu por lá para saber do que se tratava e foi embora achando que cada um cava o buraco que quiser. Uma comissão de senadores apareceu e concordou que não havia nada a fazer e sim deixar o cidadão cavar seu buraco. Alguns senadores do centrão apoiaram, outros protestaram e alguns até se dispuseram a ajudar o homem na sua empreitada. Fazia sentido. Com aquele apoio o buraco crescia a olhos vistos.  

A imprensa oficial duvidava do buraco. Chamava de depressão, oscilação, terceira via. Só se fosse uma via para a China porque do jeito que o buraco crescia mais fundo ficava. Quem ajudava pedia luz para o fim do buraco. O fio não chegava e ninguém sabia o que ia encontrar por lá, mas o nosso homem, teimoso e cheio de vontade continuava a cavar seu destino. O buraco era chamado de bolha, de palanque, de cercadinho, mas a verdade é que cada dia ficava mais fundo.

As ideias viravam ferramentas, as agressões funcionavam como pás e as mentiras resultavam em baldes e baldes de terra que ia saindo do chão. O buraco virou notícia, dominou as manchetes e até matéria no Fantástico teve. A TV tratava o buraco como uma coisa normal, institucional e até dizia que um dia podia se fechar por conta própria desde que o mercado reagisse bem ao buraco. Mas o que se via era o buraco crescer.

Cresceu tanto que já não se via quem cavava. Começou-se a temer pelas estruturas de contenção. Seria que o buraco ia causar algum dano à democracia? Será que chegar na beira daquele buraco ia dar vertigem? Uma turma começou a negar o buraco, a falar de escadas que surgiriam a qualquer momento e até em milagre que faria o moço que cavava surgir sobre uma nuvem de poeira ou uma fumaça de queimada e tal qual Jesus Cristo transformar o sangue em vinho e brindar a vitória mesmo com o buraco aberto. Aliás como conviver com aquele buraco aberto ali na frente de todos? O moço que cavava começou a usar o buraco para se esconder ou quem sabe tentar um caminho que o levasse para um lugar seguro tipo Arábia Saudita.

Quando outubro chegou ninguém falava mais no buraco e sim em subir o monte que se criou com o que foi retirado do buraco. Lá do alto do monte se via o futuro. O homem do buraco acabou sendo preso e julgado por falsidade ideológica, formação de quadrilha e distúrbio da ordem pública. Nunca mais o buraco foi fechado. Ficou ali já aberto para facilitar a vida de quem tivesse a mesma ideia.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email