Ciro e Bolsonaro podem ter se aliado

Eduardo Guimarães cogita que Ciro Gomes, "em um eventual segundo governo Bolsonaro, ganhe cargo ou algum outro tipo de benesse"

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Ciro Gomes
Jair Bolsonaro e Ciro Gomes (Foto: Agência Brasil | Reuters)


A "Navalha de Ockham" é um método para construir hipóteses. Foi batizado assim em homenagem a Guilherme de Ockham (1288–1347), um frade franciscano, filósofo e teólogo do século 14. Para simplificar, o princípio postula que, de múltiplas explicações para um fato, a mais simples será, sempre, a mais provável. 

Senão, vejamos os indícios:  

1 -- Ciro Gomes adotou tática de atacar Lula preferencialmente. No começo, atribuiu-se essa tática ao marqueteiro João Santana, que se tornou desafeto de Lula e do PT ao se tornar "delator" da Lava Jato. Porém, ou o supermarqueteiro perdeu a mão ou não é dele a responsabilidade pela insistência dos ataques prioritários de Ciro a Lula. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2 -- Tanto Ciro quanto Santana sabem que atacar Lula não renderia ao pedetista votos de uma esquerda que, com exceção do PDT e de alguns partidecos de ultraesquerda que nunca elegeram ninguém para nada, está toda com Lula -- do Psol à Rede. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3 -- Há mais de um ano que Ciro vem subindo o tom contra Lula e a tática não fez nem cócegas no ex-presidente. Se não funcionou e ainda  desgastou e isolou o pedetista em seu próprio partido, por que insistir em uma conduta que mais lhe causa prejuízos que benefícios?

4 -- Segundo o jornal O Globo, ataques de Ciro a Lula viralizam em grupos de WhatsApp bolsonaristas nos quais o pedetista é chamado de "Cabo eleitoral de Bolsonaro". Até porque, Ciro afirma que o verdadeiro culpado pela situação do país é Lula e que Bolsonaro não pode ser responsabiizado por ela. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5 -- Ciro já avisou que, se houver segundo turno entre Lula e Bolsonaro, ficará neutro. Essa postura interessa a Bolsonaro e não tem lógica para Ciro, porque se ele ajudar a levar a eleição para o segundo turno, ajudará a provocar um banho de sangue e será responsabilizado por isso. 

Mas o que Ciro ganharia com uma conduta que enfurecerá a sólida maioria de brasileiros que quer ver Bolsonaro pelas costas e que pode, no limite, levar o Brasil a uma nova ditadura militar? Afinal, muitos analistas acreditam que um segundo mandato do atual presidente ensejará um novo regime autoritário em que ele se perpetuaria no Poder. 

Ciro já avisou que, se não se eleger, desistirá da Presidência da República. Mas não disse que desistirá da política, o que pode significar que, em um eventual segundo governo Bolsonaro, ganhe cargo ou algum outro tipo de benesse. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A conduta de Ciro é irracional. Quando reduz os seus ataques a Lula e parece que mudará de tática, reincide mesmo já tendo ficado óbvio que não o ajudam. A explicação mais simples, pois, reside na "Navalha de Ockham". E é a de que Ciro mantém algum tipo de acordo repugnante com o presidente da República.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email