Ciro pariu um rato

"A consequência de seu discurso pífio e na contramão do que deseja o eleitor será a consagração do chamado 'voto útil para derrotar o inútil'", diz Alex Solnik

www.brasil247.com - Ciro Gomes
Ciro Gomes (Foto: Reprodução/Twitter/@cirogomes)


O tal Pronunciamento à Nação de Ciro Gomes, anunciado com toda pompa e circunstância, pode ser resumido na máxima popular que define o anti-climax:

 “A montanha pariu um rato”.

Candidato que pede que o país pare para ouvi-lo dizer que sua candidatura está de pé, a seis dias da eleição, dá a maior bandeira de que sua candidatura não está de pé.

Ele próprio se deu a última oportunidade de sair dessa campanha um pouco menos chamuscado. 

Poderia tê-la aproveitado para se retirar, o que justificaria com o total isolamento e agressões que partem de todos os lados, mas optou por seguir bovinamente rumo ao matadouro, arriscando-se a obter das urnas resultado não muito diferente de Cabo Daciolo em 2018, que em 2022 é o candidato do PDT a senador do Rio de Janeiro.

A consequência de seu discurso pífio e na contramão do que deseja o eleitor - levar Lula à vitória definitiva a 2 de outubro - será a consagração do chamado “voto útil para derrotar o inútil”.

Ciro Gomes está fora do páreo. Ninguém jamais subiu de 8% para mais de 30% em seis dias. A decisão será entre Lula e Bolsonaro.

Ao se recusar a optar entre o candidato da democracia e o candidato do autoritarismo, Ciro comete o erro mais grave de sua carreira política.     

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247