Clima e pandemia de Covid-19: emissões globais de CO2 caíram 17% no auge do isolamento social

Em termos quantitativos, a atmosfera planetária deixou de receber 1.048 milhões de toneladas de gás carbônico (MtCO2), nos quatro primeiros meses de 2020

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

No início de abril, no pico do isolamento social nos países avaliados, a redução global das emissões diárias de CO2 foi de 17% em relação à média de 2019, equiparando-se à taxa de emissão diária observada em 2006.

É o que diz o estudo publicado hoje na Nature Climate Change, coordenado pela Universidade de East Anglia, Inglaterra, com a participação de centros de pesquisa da França, Alemanha, Holanda, Noruega, Austrália e Estados Unidos.

Durante o mês de abril, foram analisados dados combinados de energia, atividades econômicas e políticas de 69 países, que representam 85% da população mundial e 97% das emissões totais de carbono.

Globalmente, o setor que responde pela maior quantidade de emissões de CO2 é o de energia (produção de eletricidade e calor), com 44,3% do total, seguido pela indústria (22,4%), transporte terrestre (20,6%), setor residencial (5,6%), setor público e comércio (4,2%) e aviação (2,8%).

A maioria dos dados analisados referem-se aos 15 dias iniciais de abril, que refletem as mudanças impostas pela crise sanitária, comparadas a um dia típico de atividade antes do confinamento e levando em conta a sazonalidade e o dia da semana.

Desta forma, os cientistas puderam estimar as variações das emissões diárias durante o isolamento social adotado no combate à pandemia de Covid-19 e suas implicações na evolução da concentração total de CO2 em 2020.

No pico do isolamento social (em 7 de abril), o setor de transporte terrestre respondeu por 43% da redução de emissões; mesmo percentual para os setores industrial e de energia somados, e 10% na aviação.

Os autores do estudo estimam que a redução global das emissões de carbono em 2020, em relação a 2019, pode variar de 4% a 7%, dependendo da duração das medidas de isolamento; os extremos se situando entre um período de 4 a 10 meses, a partir de março.

Em termos quantitativos, a atmosfera planetária deixou de receber 1.048 milhões de toneladas de gás carbônico (MtCO2), nos quatro primeiros meses de 2020. A China –maior emissor de gases poluentes– reduziu suas emissões em 242 MtCO2, seguida pelos Estados Unidos (– 207 MtCO2), Europa (– 123 MtCO2), Índia (– 98 MtCO2) e Reino Unido (– 18 MtCO2).

Considerando que, para limitar o aumento da temperatura planetária em 1,5 oC até 2100 –como preconiza o IPCC–, as emissões de CO2 devem ser reduzidas em pelo menos 7,6% por ano até 2030, o estudo mostra que respostas sociais casuais são insuficientes para garantir uma redução sustentável das emissões, capaz de minimizar a mudança climática.

“O isolamento social levou a mudanças drásticas no consumo de energia e emissões de CO2. No entanto, essas reduções extremas devem ser temporárias, já que não refletem mudanças estruturais dos sistemas econômico, de transporte ou energético”, diz Corinne Le Quéré, climatologista e professora da School of Environmental Sciences, da Universidade de East Anglia, e líder da equipe de pesquisadores autores do estudo.

Já para Robert Jackson, professor da Universidade de Stanford (EUA) e coautor do estudo, “a queda das emissões foi significativa, mas o que precisamos é de uma transição sistemática para a energia verde e veículos elétricos, e não de reduções temporárias causadas por comportamentos forçados”.

“Há possibilidades reais, sustentáveis e mais resilientes a crises futuras, via planos de recuperação econômica que visem também metas climáticas, especialmente aqueles relativos à mobilidade, que foi responsável por [quase] metade da redução das emissões durante o isolamento social”, conclui Le Quéré.

Fontes: https://www.nature.com/articles/s41558-020-0797-x

https://www.eurekalert.org/pub_releases/2020-05/uoea-ccc051820.php

https://futureearth.org/2020/05/19/global-carbon-emissions-fall-sharply-during-covid-19-lockdown/

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email