Crise na Europa e seus perigos

O problema da Europa é muito complexo: precisa rapidamente resolver uma grave crise de energia

www.brasil247.com - Nordstream 2
Nordstream 2 (Foto: Igor Kuznetsov/Nord Stream 2)


 Na semana passada, em nome da segurança no suprimento nacional de energia, a Alemanha anunciou que irá manter duas de suas três usinas nucleares funcionando, até pelo menos abril do ano que vem. Após o desastre na usina nuclear de Fukushima, em 2011, a Alemanha tinha decidido desativar todas as suas centrais nucleares. Com o fechamento do gasoduto Nord Stream 1, decorrência da guerra e das sanções econômicas contra a Rússia, o país vem tentando ampliar as alternativas de obtenção de energia, medida fundamental para enfrentar o inverno que se aproxima. A Alemanha tinha encerrado o funcionamento de três reatores nucleares em 2021, e a finalização dos três restantes deveria significar o fim também, do uso desse tipo de energia no país. Decisão tomada no governo de Angela Merkel.

     Antes do início da guerra na Ucrânia a Rússia supria 49% do gás consumido pela Alemanha, fundamental para as residências e para o funcionamento da maior economia, e da indústria mais robusta da Europa. O consumo do produto para a Europa como um todo era suprido em cerca de 40% pela Rússia. Com a guerra, a Rússia reduziu as exportações para o continente ao mínimo, como uma forma de retaliar as duras sanções econômicas que vem sofrendo. Recentemente o país tinha interrompido o fornecimento via Nord Stream para a Alemanha.   

     O ataque terrorista contra os gasodutos Nord Stream 1 e 2, em 23 de setembro, agravou um problema que já era muito crítico. Curiosamente ao mesmo tempo em que os dirigentes de alguns países da Europa tentavam incriminar a Rússia com o atentado, o ex-ministro polonês das Relações Exteriores, Radoslaw Sikorski, postou no Twitter uma mensagem que resume o problema. Ao lado de uma foto do local onde aconteceram as explosões, escreveu: “Obrigado, EUA”. Uma operação especial de manutenção”.  A Rússia solicitou em seguida ao atentado uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, para discutir o assunto. 

    A Alemanha se esforça para minimizar os prejuízos de uma dependência estrutural de energia da Rússia, que agora com a crise política, ameaça fazer o país regressar ao Paleolítico. Em setembro último o país nacionalizou uma empresa importadora de gás (Uniper), decisão acelerada pelo anúncio da estatal russa de energia Gazprom, no início daquele mês, de interrupção do fornecimento total de gás à Alemanha, por tempo indeterminado. A situação da Alemanha é o mais extrema, mas a dependência da Europa do fornecimento de gás russo é geral, chegando no caso de alguns países à 100%. Com a aproximação do inverno no hemisfério norte, quando em muitos países as temperaturas caem frequentemente para menos de zero grau, a situação pode ficar muito feia. Segundo informações públicas os estoques de gás estão com 10% ou 20% da capacidade máxima, nos países do continente. 

      Juntamente com a crise energética estão presentes a inflação e o déficit público. Em países como Itália e Alemanha, as famílias já estão pagando 400% a mais de conta de luz e gás, em relação a um ano atrás. No Reino Unido os preços desses produtos dobraram em 12 meses. Os governos vêm tentando compensar os aumentos de preços da energia com redução de impostos ou contenção de preços de outros itens essenciais, o que têm levado à déficits públicos crescentes. A Alemanha, país considerado rigoroso em termos fiscais, deve fechar este ano com um elevado déficit público, decorrente da concessão de subsídios ao setor de energia. 

     Setores intensivos em energia (químicos, fertilizantes, aço, alumínio etc.) já se encontravam em crise antes da guerra, quando aumentaram as tensões na região, com elevação dos preços dos insumos. O preço do gás na Europa atualmente é o triplo dos verificados nos EUA, o que implica em perdas de fatias do mercado internacional. Esse processo está levando à déficits comerciais crescentes nas economias da Europa. Em função da inflação e de problemas na cadeia de suprimentos em geral, a previsão dos analistas é a de que a Europa enfrente uma recessão no final de 2022, que tende a se prolongar para o ano que vem. 

     O problema da Europa é muito complexo: precisa rapidamente resolver uma grave crise de energia, tendo dependência estrutural de importações de gás, em meio a uma crise econômica. Não se consegue produzir materiais químicos, ou hidrogênio para geração de aço, sem grandes quantidades de energia. Por outro lado, as chamadas “energias limpas”, como eólica e solar, estão muito longe de suprirem a necessidade, apesar dos investimentos realizados nos últimos anos. O gás natural, além de fundamental na produção de energia, é também matéria-prima essencial na produção industrial. 

     Nos últimos 12 meses a Europa já perdeu cerca de 50% da sua produção de aço e de alumínio, o que significa grande retrocesso econômico. A situação tem levado as companhias a fechar unidades, aumentar importações e transferir-se para outras regiões. As empresas do setor de produção de aço têm tentado repassar o aumento da energia para os preços, mas essa estratégia tem limites, em meio a um processo de baixo crescimento, que tende a virar recessão no curto prazo. Também não há produção de fertilizantes sem gás natural. Com o atentado, e a possível escalada da guerra, os países terão que priorizar o fornecimento de gás para residências e serviços essenciais, o que impactará diretamente a capacidade de produção industrial. O risco de uma desindustrialização acelerada na Europa, que em parte já está ocorrendo, não deve ser ignorado. 

     Essa crise da Europa, que é também do mundo, é muito rica em ensinamentos e deveria nos manter muito atentos. A Alemanha voltou a produzir carvão destruindo uma floresta que possuía arvores com até 12 mil anos de existência. O produto é o carvão marrom, chamado de lignite, que é um dos combustíveis fósseis mais poluentes que se conhece. Ao mesmo tempo em que se desenrola uma crise de energia com esse nível de dramaticidade, e de forma interligada, crescem as pressões para uma gestão internacional da Amazônia. O mundo atual não fornece margem para ingenuidades. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247