Cúpula dos EUA sem todos os países das Américas decreta o fim da OEA

"Decisão dos EUA de excluírem três países latino-americanos deste espaço comunitário é uma violação à própria razão genuína de ser da OEA", escreve Miola

www.brasil247.com - Presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador
Presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador (Foto: REUTERS/Henry Romero)


Por Jeferson Miola, para o 247

O sepultamento definitivo do projeto de Área de Livre Comércio das Américas, a ALCA, em dezembro de 2005, em Mar del Plata, Argentina, por ocasião da 4ª Cúpula das Américas, representou a mais dura derrota do projeto imperial dos EUA no hemisfério americano.

Com a ALCA, os EUA pretendiam aprofundar sua hegemonia e seu domínio regional absoluto por meio da anexação econômica de 33 países latino-americanos, caribenhos e sul-americanos, além do Canadá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O fim daquele projeto imperial representou um dos maiores reveses geopolíticos da história dos EUA. E deveria ter causado, também, o fim da Organização dos Estados Americanos [OEA], um organismo instrumental para o exercício do poder de dominação e de intervenção dos EUA na região.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Porém, mesmo depois da criação da CELAC, a Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos, em 2010, a OEA sobreviveu e continua sendo ainda hoje um instrumento funcional aos interesses estratégicos dos EUA. Vale esclarecer que a CELAC abrange todos 33 países que constituem estatutariamente a OEA. Apenas os EUA e o Canadá ficam de fora desta Comunidade latino-americana e caribenha.

Desde 2015 o uruguaio Luís Almagro, um títere manietado e comandado pelos EUA, desempenha a função de Secretário-Geral da OEA. Como fiel servidor dos EUA, Almagro promoveu permanentemente a desestabilização do governo do presidente Nicolas Maduro, da Venezuela; apoiou o golpe no Brasil e usou a OEA para produzir informe falso para justificar o golpe que derrubou o governo Evo Morales na Bolívia, em 2019.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ex-presidente Barack Obama, o Senhor das Guerras, no fim de mandato fez uma série de gestos para “limpar” a biografia do Nobel da Paz maculada pelo emprego, durante seu período de governo, de drones assassinos; pelas guerras contra países, pelos assassinatos de líderes de países, como Gaddafi, na Líbia; pelos mais de 24 mil bombardeios efetuados mundo afora etc.

Dentre as medidas demagógicas em Obama de término de mandato, está a liberação para a participação de Cuba na 7ª Cúpula das Américas, realizada na cidade do Panamá, em 2015. Na oportunidade, o atual presidente dos EUA, Joe Biden, era o vice-presidente dele.

O mesmo Biden, hoje presidente dos EUA, decidiu excluir Cuba, Nicarágua e Venezuela da 9ª Cúpula das Américas, que se realiza em Los Ângeles [6 a 10/6], em solo estadunidense.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Conceitualmente, a Cúpula das Américas “é uma reunião de cúpula entre [os 35] chefes de Estado [e de governo] do continente americano criada pela OEA com o objetivo de alcançar um nível maior de cooperação entre os países da zona econômica americana”.

Portanto, a decisão ilegítima e unilateral dos EUA de excluírem três países latino-americanos de participarem deste espaço comunitário, é uma violação à própria razão genuína de ser da OEA, este resquício da Guerra Fria que tem de ser urgentemente desativado e enterrado no mesmo cemitério da história onde foi soterrada a ALCA.

Esta Cúpula promovida pelos EUA sem todos os 35 países das Américas, decreta o fim político e institucional da OEA. E, por outro lado, estimula a retomada da CELAC como verdadeiro, único e efetivo organismo de integração latino-americano, caribenho e sul-americano. É acertada, portanto, a decisão do presidente mexicano Andrés Manuel Lopez Obrador, de boicotar este encontro estadunidense carente de legitimidade.

O futuro governo Lula, no qual a CELAC foi arquitetada e construída, terá um papel central na reconfiguração da geopolítica regional e no estabelecimento de uma nova arquitetura política e institucional descolonizadora da América Latina, em consonância com o artigo 4º da Constituição brasileira, que estabelece que “A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações”.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email