Datafolha mostra Bolsonaro como a principal aposta anti-Lula das elites

"O Datafolha confirma a tendência eleitoral detectada sustentavelmente há mais de 18 meses", diz Jeferson Miola

www.brasil247.com - Lula e Bolsonaro
Lula e Bolsonaro (Foto: Reuters)


Por Jeferson Miola, para o 247

Causaram enorme frisson as prisões do ex-ministro bolsonarista da Educação e dos charlatães bolsonaristas que traficavam influência e verbas do MEC em nome de Deus e, claro, em troca de generosas propinas e de reluzentes barras de ouro.

Surgiram diversas hipóteses nos grupos de aplicativos, portais e outros ambientes de debate político.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A mais recorrente dessas hipóteses cogitava o “derretimento” eleitoral de Bolsonaro; a erosão vertiginosa da sua base social e, em decorrência disso, a viabilização de uma alternativa da mal apelidada terceira via – ou seja, uma outra candidatura anti-Lula que não a do Aberração do Planalto. A eterna busca das elites por um anti-Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Antes das prisões do ex-ministro e dos pastores, Bolsonaro e o governo militar já colecionavam desgastes sérios devido à corrupção, inflação, carestia, preço dos combustíveis, descalabro econômico e ambiental, miséria e, ainda, aos assassinatos de Bruno Pereira e Dom Philips.

Ciro Gomes e Simone Tebet chegaram a acreditar que “tomariam a vaga de Bolsonaro” na cruzada anti-Lula, e que um deles passaria ao segundo turno para enfrentar o ex-presidente com o apoio coeso das classes dominantes. Até o juiz-suspeito e um general dissimulado foram ressuscitados como possibilidades de vice em algumas fórmulas eleitorais especuladas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A última pesquisa Datafolha [23/6], que coletou intenções de votos nos dias 22 e 23 de junho, auge da repercussão do escândalo no noticiário mostra, no entanto, que não é aplicável a hipótese de derretimento de Bolsonaro e de viabilização de outra opção anti-Lula que não o próprio Bolsonaro.

O Datafolha confirma a tendência eleitoral detectada sustentavelmente há mais de 18 meses. Uma tendência que evidencia um cenário cristalizado e, portanto, provavelmente irreversível, de disputa polarizada entre Lula e Bolsonaro. E sempre com vitória folgada do Lula.

Um fator-chave que explica a perspectiva de vitória do Lula é a crise de legitimidade do governo militar e do regime de Exceção inaugurado em 2013 e aprofundado depois da derrubada fraudulenta da presidente Dilma, em 2016.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O inventário desta brutal violação da democracia é aterrador. Em poucos anos, o Brasil foi arrastado para a barbárie e o precipício fascista.

Apesar disso, contudo, e a despeito do desastre humanitário, nas pesquisas Bolsonaro continua com índices eleitorais ao redor de 30%, mesmo sendo quem ele monstruosamente é. Isso, aliás, diz muito sobre a tragédia da sociedade brasileira.

Juntos, todos demais inventos anti-Lula alcançam cerca de 13% das intenções de votos, que significam menos da metade do desempenho de Bolsonaro.

O último levantamento do Datafolha retrata exatamente este cenário: Bolsonaro preserva seu rebanho fiel e as demais candidaturas continuam estacionadas, ao passo que Lula avança de modo sustentável o patamar acima dos 50%, em claro sinal de vitória já no primeiro turno.

As classes dominantes prefeririam mil vezes não terem de assistir passivamente o desfile de Lula rumo à vitória em 2 de outubro sem poderem fazer alguma patifaria ou vilania para impedir o triunfo eleitoral dele.  Por isso, já se preparam para combater, inviabilizar e derrubar o futuro governo Lula.

A desmoralização do governo militar e o avanço da crise de legitimidade do golpe reduzem muito a eficácia do arsenal golpista do establishment contra Lula e a democracia. E deslegitimam sobremaneira os planos golpistas que as cúpulas partidarizadas das Forças Armadas preparam.

A cada dia que passa vão se estreitando as margens de manobra das elites para alterarem os rumos da eleição e impedirem a vitória do Lula – salvo, claro, na hipótese do seu assassinato.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email