De 241 essa PEC pode ser chamada de 171

Vejamos que é um paradoxo o presidente (eterno interino) Temer editar uma medida para conter gastos públicos, quando ele mesmo é o maior gastador do dinheiro público – com o aval do Congresso – que se tem notícia

Vejamos que é um paradoxo o presidente (eterno interino) Temer editar uma medida para conter gastos públicos, quando ele mesmo é o maior gastador do dinheiro público – com o aval do Congresso – que se tem notícia
Vejamos que é um paradoxo o presidente (eterno interino) Temer editar uma medida para conter gastos públicos, quando ele mesmo é o maior gastador do dinheiro público – com o aval do Congresso – que se tem notícia (Foto: Ricardo Fonseca)

Parece que o governo federal está trabalhando exclusivamente para si e para o Congresso Nacional, principalmente para a Câmara dos de Deputados.  No caso dessa maldita PEC 241, que tirou o sono da saúde e educação brasileiras, no mínimo deveria haver consultas populares e de setores diretamente envolvidos, para que os seus danos pudessem ser minimizados.

Vejamos que é um paradoxo o presidente (eterno interino) Temer editar uma medida para conter gastos públicos, quando ele mesmo é o maior gastador do dinheiro público – com o aval do Congresso – que se tem notícia.

A meta fiscal dos gatos públicos para 2016 prevista para a programação orçamentária ainda no governo Dilma era de R$ 170 bi, em agosto, e já no governo decorativo, ela chegou a R$ 169 bi. Em fevereiro, o Ministério da Fazenda havia anunciado que pediria ao Congresso autorização para um déficit primário (receitas menores que as despesas, sem contar juros da dívida pública) de até R$ 60,2 bilhões neste ano. Reveja aqui.

O que faz o governo salvador peemedebista da Pátria Midiática quando assume o governo que era do PT? Na calada da noite no dia 02 de junho – como o aval dele mesmo – a Câmara cria 14.419 novos cargos federais, quase quatro vezes o número de cargos comissionados que o presidente interino prometeu cortar este ano. Medida contraria discurso de enxugamento do poder público. Reveja aqui.

Não satisfeito, Temer e sua tropa salvadora anunciou no dia 11 de agosto deste ano um rombo de R$ 169 bi. Reveja aqui.

Para conter o monstro criado por ele mesmo – afinal ele gastou mais de 100 bi em aproximadamente 60 dias de governo – o presidente criou essa celeuma, de 241 essa PEC pode ser chamada de 171.

“A PEC 241 fixa para os três poderes - além do Ministério Público da União e da Defensoria Pública da União - um limite anual de despesas. Segundo o texto, o teto será válido por vinte anos a partir de 2017 e consiste no valor gasto no ano anterior corrigido pela inflação acumulada nesses doze meses.

A inflação, medida pelo indicador IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), é a desvalorização do dinheiro, ou seja, o quanto ele perde poder de compra em determinado período.

Dessa forma, a despesa permitida em 2017 será a de 2016 mais a porcentagem que a inflação "tirou" da moeda naquele ano. Na prática, a PEC congela as despesas, porque o poder de compra do montante será sempre o mesmo.

Caso o teto não seja cumprido, há oito sanções que podem ser aplicadas ao governo, inclusive a proibição de aumento real para o salário mínimo.” Reveja essa matéria do site UOL aqui.

Trocando em miúdos, que pagará as contas dos banquetes milionários para reduzir as contas públicas do governo será o povo brasileiro com menos saúde, educação e possivelmente um salário mínimo congelado por 20 anos e quem ganha com isso? O empresariado off course my dear. Ou seja, quem cortará na própria carne será o povo, com o plano de desmonte do gasto social proposto por quem mais gasta mais com outras coisas – o governo dos coxinhas!

Contudo, o povo brasileiro que foi manipulado pelas mega- manifestações contra a corrupção, transmitidas ao vivo em todos os canais e rádios do País e dirigidas contra a ex presidenta Dilma, na esperança de um salvador que contivesse a pior crise brasileira. Agora, que enfraqueceu as esquerdas, resultado das últimas eleições, precisa novamente unir forças e ocupar não só escolas, como as ruas desse País, contra essa estupidez administrativa que é essa PEC 241.

O Brasil precisa se unir para combater a pior medida impopular pós AI-5 da história e lutar de forma democrática para que ela não seja de fato realizada. Não se trata mais de polarizações ou MIMIMI da plebe esquerda contra os emplumados gourmet da direita, se trata do povo lutando por seus direitos e por um País melhor. Caso contrário, corremos um sério risco de viramos colônia dos EUA, que é a missão de Michel Temer e seu governo impopular.

“Temer você pode ficar impopular... Não estou preocupado com impopularidade”, disse o decorativo definitivo a Mariana Godoy em seu programa de  entrevista da Rede TV, semana passada. E para ludibriar novamente as pessoas, lançou o Cartão Reforma de R$ 5.000,00 (um crédito para pequenas reformas)  e um Título de Propriedade Urbano para a população carente das grandes cidades.  Como pode ser tão leviano na TV, propondo crédito e título de propriedade em meio a essa bruta recessão? Tudo misancene para americano ver!

Usando o mesmo método explicativo do governo no vídeo da PEC 241, mas mostrando a verdadeira realidade dela, é tipo assim: O pai diz pro filho: “Eu vou cortar a sua mesada, mais vou sair pra jantar e depois pra balada com a sua mãe. Se você e seus irmãos quiserem comer alguma coisa, tem sardinha na geladeira!”

Termino esse texto torcendo para que as futuras gerações, em pelo menos 100 anos, não vejam um discípulo de Temer. Para isso cabe esse provérbio africano: “A união do rebanho obriga o leão a deitar-se com fome.”

#vivaopovobrasileirounido #foratemergolpista

Conheça a TV 247

Mais de Blog

O histerismo ideológico do clã Jair Messias e seus seguidores
Ariovaldo Ramos

Depressa!

Se houvesse necessidade, frente a qualquer inimigo externo, Deus levantava um ou uma líder, chamado de juiz ou de juíza, que comandava o povo contra o invasor e, assim, protegia o território e o...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247