De Facas e de Cebolas



Eva preparava o almoço quando viu, pelo vitrô da cozinha, Jesus em pessoa defronte à sua residência. Ouviu-o falar em paz e amor e viu-o multiplicar peixes e pães, saciar a fome e a sede dos que encontrava pelo caminho, levar dignidade, esperança, oportunidades e vida em abundância a mais de trinta milhões antes condenados à exclusão social ou a morrer de inanição. Assustou-se, porém, ao notar que ele estava acompanhado de uma gente preta vinda das favelas, de miseráveis maltrapilhos, prostitutas, ex-prisioneiros e homens efeminados. Sentiu medo. Descansou a cebola e a faca sobre a pia e telefonou à polícia. Jesus foi preso.

Ao cair da tardinha, viu o próprio Capeta na calçada oposta. Olhos avermelhados de sangue e portando um tridente, ostentava ele vistosos chifres e serpenteava exuberante rabo de dimensões extraordinárias. Cercado de homens brancos e bombadões que gritavam "mito, mito", ele fazia arminha com as mãos e se dizia o Messias. Encantou-se Eva com o que viu e ouviu e, no ímpeto de ir ao encontro do outro, cortou-se ao livrar-se da faca e da cebola com que preparava o jantar. Às lágrimas e com sangue escorrendo entre seus dedos, juntou-se à turba e elegeu o Capiroto presidente da República. 

Não tardou para que a nação começasse a sofrer na pele o resultado da escolha maligna. E quanto mais escura a pele, maior o sofrimento.  

Por vingança dos céus ou mera coincidência, viu-se o mundo tomado por uma peste que só no país de Eva arrebatou setecentas mil almas, a maioria porque o Trevoso optou por incitar os compatriotas a enfrentarem a moléstia de peito aberto, em aglomerações em seu louvor e sem máscaras. Ele falava em imunização de rebanho enquanto negociava vantagens indecorosas para adquirir vacinas a peso de ouro. 

Fingia enfrentar o mal nomeando diversos ministros que fizeram da pasta um autêntico ministério contra a saúde. Um a um foram todos caindo, do maneta ao pesadelo em forma de general, até que só sobrasse... "Que droga!", resignou-se o Tinhoso à falta de melhor opção.

Em seu governo, nada era a favor da nação. A regra era ser contra. Contra tudo e contra todos. A favor, só da família presidencial.  

Os ministros contra a educação também se sucederam, culminando com uma tríade de pastores que, por inegável inspiração cristã, pediam oferendas para si como ouro, incenso e mirra para que verbas fossem liberadas. 

Houve ministros contra a cultura, os quais desnudaram a ópera bufa que foi o governo do líder das Trevas. Começou com uma encenação de orgulhar Goebbles, passou pelo pum de talco espirrado da bunda do palhaço, e assim foi mudando de mãos e de bundas até terminar em malhação. Não a do Judas, das mais celebradas festividades populares. Malhação do próprio histrião que só soube fazer pum, mictar e defecar durante todo seu escatológico reinado.

O Cramulhão criou o Ministério Contra os Homens de Cor, para o qual nomeou seu mais fiel capitão do mato. Para o ministério contra a Justiça escolheu o juiz ladrão que trocava sentenças por cargos.

Seu ministro contra as relações exteriores foi um lunático que bradava contra o globalismo, na defesa de que a terra era plana. Se bem que quem passou os anos todos no mundo da lua foi o astronauta, ministro contra a ciência e tecnologia. Dizia-se à sorrelfa no baixo escalão que ambos dividiam a condição de ministros das relações extraterrestres. 

Houve uma ministra contra a família e contra os Direitos Humanos que descria da laicidade das goiabeiras e do Estado e agia para que meninos usassem azul e meninas, rosa, zelosa para que estas, se estupradas, deixassem crescer a barriguinha.

O ministro contra o meio ambiente empenhou-se em passar o trator e a boiada, incendiar florestas, extrair árvores, pedras preciosas e peixes impunemente, inclusive matar índios e jornalistas mal vistos, enquanto o povo se distraía com a peste. 

O mais importante foi o ministro contra a economia, apodado Posto Ipiranga pelo presidente em razão de seu gosto insaciável por elevar o preço dos combustíveis dia sim, dia também. Sabia ele como bem aplicar suas próprias economias, as quais mantinha no exterior, resguardadas da corrosão inflacionária, embora vulneráveis às frequentes oscilações da moeda internacional que ele mesmo controlava.

Ao fim de quatro anos, Eva estava satisfeita. Considerava que o Coisa Ruim havia feito o que pode para enfrentar a pandemia. Afinal, ele não poupara combustível em frequentes motociatas que organizava em homenagem a si próprio e para festejar suas vítimas. O importante, pensava Eva, é que a pátria estava salva, estreme de extremados extremismos extremos, embora ainda restasse enfrentar a extrema-imprensa e a Corte Extrema.

Até que veio a notícia de que o parlamento pretendia instalar comissões de inquérito. O governo então anunciou o contra-ataque: criaria uma comissão para investigar os oposicionistas. Sua intenção era desvendar tudo que pudesse ser alcançado, desde quem matou um insepultável prefeito, passando pelo crime da rua Toneleros e pelo assassínio de Júlio César pelos senadores, até quem matou quem nos primórdios da humanidade, se Caim a Abel ou vice e versa. Foi então que Eva ponderou que, naquele universo machista e misógino onde e quando ainda só havia quatro exemplares da espécie humana, talvez ela não devesse ter-se deixado encantar pela serpente que servia de rabo ao Capiroto. 

Súbito, Eva compreendeu de quem era a culpa por toda a desgraça que se abateu sobre o país, desde o dia em que escorreram lágrimas de cebola de seus olhos e sangue de seus dedos. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247