Democracia Miliciana

"Tomando as (corretas) decisões dos governadores e prefeitos de fechar o comércio e manter o isolamento social como mote, Bolsonaro diz que se o povo estivesse armado, poderia se revoltar contra isso e sair para a rua"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Não há razão para surpresa pela “vulgaridade” das falas na reunião ministerial finalmente divulgada. Também não me surpreende que o que já havia sido vazado fosse apenas uma tentativa de minimizar o dano. Nada supera a verdade ao vivo e a cores.

Repetindo o que já li, em qualquer país democrático deste planeta, o governo já teria caído depois desta divulgação. Qualquer presidente com a mínima compreensão do que seja o cargo que ocupa, teria pedido para sair. Mas aí está o problema. O que temos no Brasil é um inepto que senta numa cadeira sem a menor ideia do que significa vestir a faixa de Presidente da República.

Não vale a pena aqui ficar repetindo o “eu avisei”, isto não muda nada. A situação em que o país se encontra é obra de brasileiros que votaram nisto que está aí. Provavelmente se tivesse uma nova eleição amanhã, isto daí ganharia novamente. A esquerda ainda não aprendeu a jogar como eles. 

No mesmo nível desta coisa, estão os seus ministros. Não se salva um sequer. O que pudemos ver e escutar foram as falas de uma única reunião ministerial. Imaginem as outras, ou as que são realizadas em seus gabinetes a portas fechadas. Diante da amostra que recebemos, o STF deveria impor a divulgação de todas elas e distribuir Plasil.

Eu, que não sou nenhum jurista, imagino que Moro conseguiu comprovar sua acusação. O bobo da corte interferiu na PF para salvaguardar sua família e amigos. Entre impropérios ele revela o que realmente o incomodava, o que deveria ser feito imediatamente, qual seria a consequência da desobediência, e o mais importante, diz isso olhando na cara do Ministro da Justiça. Nem precisa desenhar.

Entre tudo o que está sendo revelado, o que me chamou muita atenção foi a questão da liberação das armas para o povo e a democracia. Tomando as (corretas) decisões dos governadores e prefeitos de fechar o comércio e manter o isolamento social como mote, ele diz que se o povo estivesse armado, poderia se revoltar contra isso e sair para a rua. Faz da única maneira, internacionalmente comprovada de conter a pandemia, uma ameaça à democracia.

Segundo o pensamento de Bolsonaro e família, os governadores e prefeitos estariam usando de atribuições ditatoriais para impedir que as pessoas pudessem se movimentar livremente, trabalhar, ir a Shoppings, cinemas, restaurantes, enfim levar uma vida normal como sempre, e morrerem como nunca.

No caso de uma população armada, todos que não concordam hoje com o isolamento, amanhã com o aumento do IPTU, depois contra as multas por alta velocidade nas estradas, poderiam sair de armas em punho e impor sua vontade. Esta é a visão de uma Democracia Miliciana.

Nesta democracia, as vontades populares são respeitadas da mesma maneira como as milícias impõem as suas. Lojistas precisam pagar por sua segurança, o gás precisa pagar uma taxa para venda, TV a cabo, só a da TV Milícia. Isto porque eles andam armados, bem armados.

Nesta democracia, um governante deve respeitar a vontade popular dos que estiverem armados. Quem não concordar com uma multa de trânsito deve sair na rua e por direito, mediante a posse da arma, fazer com que o funcionário de trânsito reconsidere.

Na Democracia Miliciana, o presidente possui seu próprio serviço de informações composto de policiais milicianos que o suprem com as informações relevantes ao cargo, tais como operações policiais contra seus familiares e amigos. É uma via de mão dupla. Em troca das informações, ele libera as armas para as milícias. Alguém acha que o cidadão comum tem dinheiro para comprar uma arma?

Este é o Brasil atual. Milicos dando palpites no que o STF pode, e não pode fazer. Generais de pijama insinuando golpe militar. Ministro do Meio Ambiente propondo medidas anti ambientais enquanto a imprensa se preocupa com o Covid, Ministro da Educação propondo por na cadeia os vagabundos do STF, Ministro da Fazenda propondo acabar com o Banco do Brasil etc. Enquanto isso, temos o Fabrício Queiroz lindo, leve e solto.

Temos um final de semana para digerir tudo isto. Mas logo virá a segunda-feira e o Brasil não pode ficar como antes. Se nada for feito agora para acabar com este governo, não sei o que vai restar para o próximo fazer.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247