Denúncia contra Temer esfrega na cara o golpe dos corruptos

"Houve um golpe em 2016 e só resta admitir o ‘engano’ a quem foi às ruas para depor uma presidenta eleita com o pretexto de lutar pelo combate à corrupção", diz a colunista Luciana Oliveira; "Os deputados terão o desplante de não autorizar a investigação da nova denúncia no Supremo Tribunal federal? Ao barrar a primeira, muitos deputados alegaram que outro processo de impeachment poderia parar o Brasil. Não vai dar pra usar essa desculpa.É parar ou autorizar por mais um ano que o país siga sob o comando de um chefe de quadrilha", afirma

A presidenta Dilma Rousseff dá posse ao novo ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves. E/D: Henrique Alves, Michel Temer e Dilma Rousseff (José Cruz/Agência Brasil)
A presidenta Dilma Rousseff dá posse ao novo ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves. E/D: Henrique Alves, Michel Temer e Dilma Rousseff (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Luciana Oliveira)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Houve um golpe em 2016 e só resta admitir o ‘engano’ a quem foi às ruas para depor uma presidenta eleita com o pretexto de lutar pelo combate à corrupção.

A denúncia apresentada contra Michel Temer, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Geddel, Henrique Alves, Eduardo Cunha, Rocha Loures e Ricardo Saud, reforça que levar o impeachment a cabo era, como já confessado, a solução mais fácil para barrar a Operação Lava Jato e manter o saque aos cofres públicos.

Segundo o procurador geral da república, Rodrigo Janot, os denunciados formaram um núcleo político para obstruir a justiça e praticar crimes contra empresas e órgãos públicos.

O montante de propinas com o esquema que montaram supera R$ 587,1 milhões, arrecadados via Petrobras, Furnas, Caixa Econômica Federal, Ministério da Integração Nacional, Ministério da Agricultura, Secretaria de Aviação Civil e Câmara dos Deputados.

A denúncia rompe o acordo de delação premiada obtido pelos executivos da J&F que previa imunidade pelos crimes que confessaram.

Ao contrário do que disse ao conspirar pela queda de Dilma Rousseff, de que era um vice decorativo, Janot revelou que Temer é na verdade o chefe da organização criminosa e que “ao entrar na base do governo Lula, mapeou, de pronto, as oportunidades na Petrobras.”

A segunda denúncia contra Temer confirma que o país está sob o comando de um governo que ao invés de negociações políticas, se sustenta com “negociatas ilícitas” para comprar apoio parlamentar com dinheiro público.

Os deputados terão o desplante de não autorizar a investigação da nova denúncia no Supremo Tribunal federal?

Ao barrar a primeira, muitos deputados alegaram que outro processo de impeachment poderia parar o Brasil.

Não vai dar pra usar essa desculpa.

É parar ou autorizar por mais um ano que o país siga sob o comando de um chefe de quadrilha.

Michel Temer virou uma espécie de rola-bosta falsificado que não dá conta de arrastar os excrementos que acumulou com seus aliados ao golpe.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247