Diálogo para salvar vidas agora e construir o futuro pós-pandemia

Os países com sistemas de proteção social desenvolvidos têm maiores chances e melhores possibilidades de adotarem ações mais efetivas para salvaguardar a saúde dos cidadãos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

É inegável que o mundo passa por uma grande crise sanitária, econômica e social. Os países com sistemas de proteção social desenvolvidos têm maiores chances e melhores possibilidades de adotarem ações mais efetivas para salvaguardar a saúde dos cidadãos.

Os países emergentes, como é o caso do Brasil, lidam com outros problemas como a pobreza, dengue e outras doenças, grande número de pessoas em situação de rua, pessoas sem acesso à água potável, saneamento básico e alimentação adequada.

São pessoas muitas vezes invisíveis para as políticas públicas do estado e, também, para o mercado.

Diante da crise que enfrentamos, é essencial que todos os setores - União, Estados, Municípios, representantes dos empregadores e empregados, aposentados, mercado financeiro - dialoguem para implantar medidas rápidas e enérgicas para debelar a disseminação do vírus.

Até aqui, a União hesitou no seu papel de comandar as ações. Cabe precipuamente a esse ente chamar todos para uma grande mesa que, apesar de virtual, deve unir a todos para lutarem contra o inimigo comum, o coronavírus.

Urge a adoção de todas as ações possíveis para salvar vidas agora. O conflito entre salvar a saúde da população ou a economia é ilusório. Não existe a economia sem as pessoas. Não precisamos de economia pujante com famílias incompletas e destruídas pelo Covid-19.

Necessitamos, mais do que nunca, que a ciência econômica se irmane com as demais ciências, que também faz parte da economia. Uma deve nortear a outra. A nossa aflição imediata é a crise da saúde. Precisamos seguir orientações dos pesquisadores, médicos, enfim, das ciências da saúde, em seus diferentes ramos, que tem por objeto o estudo da vida, da saúde e da doença.

Enfim, precisamos nos somar. Agora para enfrentar o pior inimigo da nossa saúde, oferecendo aos profissionais da saúde as condições necessárias para desenvolver seu trabalho e cumprir seu juramento. Faltam EPI's, falta segurança.

Não podemos esquecer dos demais profissionais que estão nas ruas e nos campos, corajosamente, desenvolvendo atividades essenciais, possibilitando que a maioria da população fique em casa.

Vencida a batalha contra o coronavírus, precisaremos nos manter unidos para recuperar a economia. Retomar o crescimento do país. Teremos de produzir mais, gerar empregos, trabalhar, distribuir riquezas e fazer a inclusão social tão aguardada. Todos dando sua cota de participação.

Tudo isso somos capazes de fazer, desde que saibamos dialogar. Tenhamos a grandeza de deixar de lado as posições ideológicas, os interesses partidários. Nos desnudemos das vaidades e das ambições pessoais.

O diálogo tem a capacidade de nos conectar e nos orientar para ações comuns e precisas para vencermos o coronavírus agora e, também, para salvarmos a economia depois.

Afinal, temos um futuro após a pandemia e ele há de ser construído por todos nós, juntos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247