E agora, Jair?

"A movimentação visando evitar a prisão de Bolsonaro revela que nem os fascistas acreditam no caráter milagreiro dos auxílios [do governo]", diz Bepe Damasco

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)


11 de agosto promete. Será lida na Faculdade de Direito da USP, no Largo de São Francisco, em São Paulo, a “Carta aos brasileiros”, manifesto em defesa da ordem democrática cuja expectativa até a data da manifestação é reunir 1 milhão de assinaturas, entre juristas, intelectuais, jornalistas, artistas, sindicalistas, lideranças da sociedade civil e até banqueiros.

Outro texto com o mesmo teor, lançado pela Fiesp, Febraban e outras organizações ligadas ao capital, recolhe apoios expressivos e evidencia o rompimento da elite empresarial e financeira com Bolsonaro.

Como para tudo na vida tem limite, a nação dá fortes sinais de que resolveu dar uma basta nas investidas de Bolsonaro contra a democracia.    

Sobre a campanha eleitoral propriamente dita, pode até ser que um contingente pequeno do eleitorado se deixe levar pela pregação do capitão, que não medirá esforços para massificar a paternidade dos auxílios aprovados pela PEC do Desespero.

Mas, a esta altura, Bolsonaro e seu staff já sabem que o pacote de bondades oportunista e inconstitucional não será suficiente para impedir  sua derrota, provavelmente já no primeiro turno.

Nas contas que Bolsonaro e Lira fizeram antes da violação da legislação eleitoral, da Lei de Responsabilidade Fiscal e da própria Constituição da República, certamente deixaram de fora o fator Lula.

Chega a ser ingenuidade imaginar que a tentativa escrachada de comprar votos tivesse o condão de derrotar o maior líder popular do país, ex-presidente da República e que lidera com folga todas as pesquisas. Pesquisa Datafolha publicada na quinta-feira da semana passada mostra que 61% das pessoas identificam na PEC a tentativa de comprar votos.

No mundo ideal dos estrategistas do Planalto, o mandato desastroso de Bolsonaro, que trouxe a fome de volta ao Brasil em larga escala, que atenta contra a democracia praticamente todos os dias e que contribuiu para a morte de quase 700 mil brasileiros, seria apagado do imaginário popular por um pacote de benefícios com data para acabar, já que será pago só até dezembro.

Mas a vida é bem mais difícil e complexa.

Lula tem alertado, em seus eventos de pré-campanha cada vez mais concorridos, acerca da provisoriedade demagógica e eleitoreira dos auxílios e aconselha o povo a embolsar os benefícios, claro, mas negar o voto em Bolsonaro. “Pega o auxilio e come, se não, o Guedes toma”, disse o ex-presidente em Fortaleza.

A movimentação de bolsonaristas visando um arranjo que permita evitar a prisão de Bolsonaro depois que deixar o governo, ideia de jerico sem chances de prosperar, revela que nem os fascistas acreditam no caráter milagreiro dos auxílios.

Como diz um amigo, "vem logo 2 de outubro".

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email