Estadão ignora ou finge ignorar que Lula se submeteu às regras democráticas, mesmo quando condenado por juiz parcial

Ataque do jornal parece resposta à declaração de que é conservador e pequenininho, e trabalhou contra a criação da Petrobras, mas o que Lula disse é verdade

www.brasil247.com - Lula na coletiva com a mídia independente
Lula na coletiva com a mídia independente (Foto: Ricardo Stuckert)


Com editorial que reflete miopia política, Estadão ataca Lula. Entre outras avaliações ruins, diz que Lula faz mal à democracia. Também tenta intrigar Lula com o Poder Judiciário.

O jornal ignora ou finge ignorar que Lula se submeteu às regras democráticas, inclusive quando se apresentou para cumprir a sentença de prisão emanada de um juiz reconhecidamente parcial. Poderia ter buscado asilo em outros países -- até europeus. Mas não.

Venceu no campo da luta institucional, o que fortalece a democracia. O Estadão precisa, seriamente, avaliar a necessidade de se aposentar. O jornal é que faz, sim, mal à democracia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apoiou a ditadura em 64 e fortaleceu um juiz que corrompeu o sistema de justiça e abriu caminho para a extrema direita chegar ao poder no Brasil, entre outras ações deletérias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O editorial pode ser a resposta dos controladores e editorialistas da empresa a uma declaração de Lula sobre a inegável decadência do jornal. Foi na coletiva de quarta-feira.

"Como não queriam deixar, em 53, que a gente tivesse petróleo, porque era melhor, diziam na época, importar dos Estados Unidos. É só pegar o editorial do Jornal O Estadão da época. Você pensa que o Estado é conservador agora que ele está pequenininho? Não, ele era conservador na época já, em 53”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se o Estadão ficou melindrado e por isso decidiu atacar Lula, faria melhor se relesse seus artigos da época e fizesse autocrítica. Ou assumisse o lado em que sempre esteve.

O pesquisador Celso Carvalho Júnior, em sua dissertação de mestrado na Universidade Estadual Paulista (Unesp), analisou as publicações do jornal da época em que a Petrobras estava sendo criada.

O jornal era contra a criação da empresa e defendia que a exploração e o refino deveriam ficar nas mãos das empresas estrangeiras, como a Esso, multinacional norte-americana que era um de seus maiores anunciantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
O Estadão pubicava anúncios da Esso contra o projeto de criação da Petrobras
O Estadão pubicava anúncios da Esso contra o projeto de criação da Petrobras(Photo: Reprodução)reprodução


"Percebe-se que o matutino paulista fechou suas páginas para 'O Petróleo É Nosso' e preferiu tratá-lo como um movimento comunista. Um outro dado bastante evidente é a cobertura dada pelo jornal para a questão do petróleo, priorizando as atividades e reivindicações dos empresários paulistas, afinados com o ponto de vista do jornal”, escreve Carvalho Júnior.

O Estadão investiu pesado na produção de conteúdo jornalístico que conseguisse abortar o projeto criação da Petrobras defendido por Getúlio Vargas, que viria a se suicidar em 54, depois de uma campanha infame realizada pela imprensa contra ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A série O Petróleo na América, publicada em maio de 1953, analisou a política e a legislação do petróleo em alguns países do continente e estabeleceu uma comparação com o Brasil, para apontar que a criação da Petrobras não resolveria o problema da baixa produção de petróleo em nosso território”, relembra o pesquisador.

Para ler a dissertação Celso Carvalho Júnior, defendida na Faculdade de Ciências e Letras do campus da Unesp em Assis, clique aqui.

O Estadão, ainda que tenha ficado melindrado por ser chamado de "pequenininho", poderia mostrar grandeza e tentar desmentir Lula com atitude — no caso de veículo de imprensa, com uma cobertura e análise corretas dos fatos.

Optou, no entanto, por permanecer no campo do ataque mal fundamentado.

A velha imprensa é inimiga do Brasil e precisa ser combatida, sempre pela via democrática, meio que o jornal, nos momentos agudos, ignora, em defesa de 1% da sociedade que é dona de 50% da riqueza nacional.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email