Fiesp, a entidade do Cidadão Boilesen

Em pelo menos dois momentos cruciais da história brasileira essa elite tomou partido, teve lado. E em nenhum deles o lado escolhido foi o da democracia. Na oportunidade atual, está em cima do muro

www.brasil247.com -


A covardia e o oportunismo da elite econômica brasileira são históricos e notórios, mas desta vez ela se superou. O manifesto Fiesp-Febraban adiado – ou abortado, tanto faz – vazou e perdeu sentido. Se divulgado, seria ainda pior. Poucas vezes se viu pusilanimidade tão vergonhosa.

O texto começa, candidamente, referindo-se à Praça dos Três Poderes como a “representação arquitetônica da independência e harmonia entre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário”. Em paupérrima metáfora político-urbanística, dizem os donos da grana que “nenhum dos prédios é superior em importância, nenhum invade o limite dos outros, um não pode prescindir dos demais”.

Pela caneta desse empresariado terceiro-mundista, não é o presidente da República, portanto o Executivo, que agride os demais Poderes todo dia, que comete reiterados crimes de responsabilidade, que estimula a ruptura institucional, que insulta autoridades, que viola a Constituição, que fere o decoro, que corrói as Forças Armadas e que interfere, qual um déspota, nas instituições de Estado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para esse empresariado, sem surpresa, “todos” – sim, “todos” – precisam agir com “serenidade, diálogo, pacificação política, estabilidade institucional e, sobretudo, foco em ações e medidas urgentes e necessárias para que o Brasil supere a pandemia, volte a crescer, a gerar empregos e assim possa reduzir as carências sociais que atingem amplos segmentos da população”.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Talvez uma praga tenha sido lançada sobre o redator dessa obra prima de acanhamento. Algo como “cair-lhe-ão as mãos se escreverdes o nome Bolsonaro”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pieguice sem limites, a falta de coragem de escrever em português claro e direto, fracassa ao tentar pintar com tintas democráticas – ainda que de forma canhestra – um grupamento que desde sempre pensou e agiu com a finalidade exclusiva de rechear o próprio bolso. 

No caso da Fiesp, a memória recente nos remete ao pato amarelo que pedia o impeachment de Dilma Rousseff sem crime. Retrocedendo um pouco mais, reaviva-se a figura do “Dr. Geraldo”, ou Geraldo Resende de Mattos, sinistro representante dos industriais paulistas em intermediações com os porões da ditadura nos anos 70. Ressurge também a imagem de Albert Hening Boilesen, bem descrito no documentário “Cidadão Boilesen”, presidente do Grupo Ultra que gostava de assistir a sessões de tortura e era entusiasta da Operação Bandeirante, a tenebrosa Oban, financiada por empresários paulistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em pelo menos dois momentos cruciais da história brasileira essa elite tomou partido, teve lado. E em nenhum deles o lado escolhido foi o da democracia. Na oportunidade atual, está em cima do muro. Imagina-se que penderá para a banda que lhe auferir mais benesses.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email