Frente anti-Bolsonaro com esta "direita democrática" é uma fantasia

"Não há possibilidade de a esquerda ter qualquer protagonismo ou aspirações de volta ao poder ao lado dessa gente. A luta continua sendo a de um lado só", escreve o jornalista Leandro Fortes

www.brasil247.com -
(Foto: Mídia NINJA)


Por Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia 

A discussão sobre uma frente ampla antibolsonarista com participação da chamada “direita democrática”, com vistas a 2022, é uma dessas fantasias que se renovam, de tempos em tempos, nas cirandas da esquerda nacional.

A ideia de que se deve apoiar qualquer um que possa tirar Bolsonaro do poder é o triunfo da preguiça  política – e do cagaço – sobre a racionalidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso porque, simplesmente, não há nenhuma diferença programática entre essas duas facções da direita nacional – a neoliberal e a bolsonarista -, mas apenas estilos de governança, ambos, essencialmente, antidemocráticos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa direita dita democrática, é bom lembrar, foi quem urdiu e colocou em prática o golpe de Estado de 2016 que retirou do poder Dilma Rousseff, uma presidenta eleita democraticamente, com base em uma fraude processual.

Foi a turma de Fernando Henrique Cardoso, Michel Temer e Rodrigo Maia, entre outros menos votados, que jogou o País no abismo moral e econômico que gerou, no limite do esgoto institucional, a eleição de Jair Bolsonaro. Junto com a Lava Jato, essa gente é a responsável direta pela presença de um demente na Presidência da República.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A turma das costas quentes só aceita participar de uma frente com a garantia de que nem o PT nem nada que cheire a governo popular  tenham qualquer oportunidade eleitoral, daqui para frente.

E há um detalhe definitivo: ambos os lados, tanto as bestas feras do bolsonarismo como os dândis do universo DEM/PSDB, estão conectados com a mesmíssima agenda econômica neoliberal de privatização do Estado, entrega do patrimônio público e a manutenção do Brasil como nação dependente e periférica do capitalismo mundial.

Não há possibilidade, portanto, de a esquerda ter qualquer protagonismo ou aspirações de volta ao poder ao lado dessa gente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A luta continua sendo a de um lado só.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email