Golpe dentro do golpe na Bolívia pode mudar a América do Sul

Justiça boliviana adia eleição presidencial em função do coronavírus, mas não oferece nenhuma garantia de que o pleito será retomado quando a pandemia tiver passado, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marcadas para 3 de maio, as eleições para a escolha do novo presidente da Bolívia acabam de ser adiadas por decisão da Justiça Eleitoral daquele país.

Embora o governo tenha justificado a medida em função da pandemia do coronavírus, há uma questão democrática aqui.   

Em vez marcar uma nova data para o pleito -- num dia qualquer de dezembro, por exemplo -- a Justiça eleitoral decidiu adiar as eleições por "tempo indeterminado".

Evitou-se, assim, um compromisso firme com a retomada do processo eleitoral, cautela essencial num país com imensa história de instabilidade política. No episódio mais recente, em novembro de 2019 ocorreu a um golpe de Estado que forçou a renúncia de Evo Morales, permitindo a posse  da autoproclamada presidente, Janine Añez, até hoje no cargo.  

Até agora, as últimas pesquisas indicavam que,  com 31 pontos,  o sindicalista Luis Arce, aliado de Evo Morales, já estava consolidado em primeiro lugar. Já acumulava mais do que o dobro das intenções de voto de Carlos Mesa, adversário que disputou a eleição com Evo Morales, ficando a própria Añez em terceiro.

Outro aspecto é a geopolítica continental.  Donald Trump retomou o discurso agressivo contra a Venezuela de Maduro, aliada provável de um eventual governo do afilhado de Evo Morales.

Outro fator é a posição do Brasil. Uma das utilidades do acordo diplomático-militar assinado por Jair Bolsonaro com os EUA será reforçar os laços entre Brasília e Washington, permitindo uma pareceria mais ajustada, inclusive para ações na região.

Em 3 de novembro, o eleitorado dos Estados Unidos irá às urnas para votar para presidente. É  possível que só depois disso a população boliviana tenha direito de escolher seu novo presidente em urna, retomando um processo interrompido um ano antes, pelo golpe que forçou Evo a renunciar.

Alguma dúvida? 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email