Impasse cambial fortalece esquerda e desespera direita no processo eleitoral

Bate desespero no BC: se subir juro, para segurar dólar, aumenta recessão e desemprego; se diminuir, para combater recessão, acelera fuga cambial. Se ficar, o bicho pega; se correr, o bicho come. Fantasma de Macri bate à porta de Temer. Balançam candidatos da direita, centro-direita e ultra-direita, cujos programas econômicos copiam o Ponte para o Futuro, temerista, em colapso

www.brasil247.com - Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, durante entrevista com a Reuters, em Brasília 03/04/2018 REUTERS/Adriano Machado
Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, durante entrevista com a Reuters, em Brasília 03/04/2018 REUTERS/Adriano Machado (Foto: César Fonseca)


Poder imperial dá as cartas
Bate desespero no BC: se subir juro, para segurar dólar, aumenta recessão e desemprego; se diminuir, para combater recessão, acelera fuga cambial. Se ficar, o bicho pega; se correr, o bicho come.

Fantasma de Macri bate à porta de Temer. Balançam candidatos da direita, centro-direita e ultra-direita, cujos programas econômicos copiam o Ponte para o Futuro, temerista, em colapso. Aumentam, em contrapartida, chances da esquerda. Se ela se unisse, nesse momento, ficaria, simplesmente, imbatível, diante do governo ilegítimo.

A desvalorização, por enquanto, incontrolável do real diante do dólar deixa o BC, comandado por homem do Itaú, Ilan Goldfajn, sem chão. Fica evidente que não há nenhuma autonomia real do Banco Central para fazer o que gostaria, que é controlar a situação. O poder não está no BC, está em Wall Street, que manda no BC americano, disposto, agora, a aumentar juros, para enxugar a praça mundial, encharcada de dólares e gerar inflação nos Estados Unidos.

A fragilidade do BC tupiniquim, frente aos movimentos de Washington/Wall Street, desmente comentaristas da grande mídia, que tentam, inutilmente, convencer leitores/ras de que a situação das economias periféricas decorre de desajustes internos, produzidos pelo laxismo relativamente aos déficits e inflação etc.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Escondem o essencial: a culpa é do modelo neoliberal imposto, imperialmente, pelo Consenso de Washington, que impede as economias periféricas de ganharem autonomia real por meio do desenvolvimento das suas próprias forças e orientações nacionais. São elas, mediante decisões políticas nacionalistas, que produzem as reservas cambiais necessárias, para se protegerem dos choques externos, impostos pelas deteriorações cambiais nos termos de troca, desde sempre.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Argentina neoliberal macrista é o exemplo visível. O arrocho neoliberal, incapaz de produzir reservas cambiais necessárias à autonomia econômica, entrou em crise. A alternativa é passar o chapéu em Washington, pedindo socorro a Christina Lagarde, do FMI, subordinada à Casa Branca. Ou seja, Tio Sam está no comando da economia portenha, arriada diante da decisão de Trump de puxar os juros e inflação, sem a qual o capitalismo não se sustenta, especialmente, no ambiente de excesso de oferta deflacionária de moeda especulativa, o fenômeno produzido pelo crash de 2008.

Herança salvadora
Por enquanto, Temer e cia neoliberal ltda da Fazenda contam com a herança benéfica de Lula e Dilma, que acumularam reservas de 375 bilhões de dólares. Fortaleceram o mercado interno, com salários reajustados pela inflação e PIB projetado para crescer, por decisões tomadas em favor do aumento do crédito à produção e ao consumo, por meio dos bancos oficiais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao revés, congelamento neoliberal em vigor fragiliza, extraordinariamente, a economia, impossibilitando-a de fazer caixa. Sem gastos sociais circulando não se tem arrecadação disponível para investimentos em infraestrutura, educação, saúde, segurança etc; resultado: instabilidade crescente.

A inflação cai não pela higidez da economia, mas, ao contrário, devido à sua fragilidade galopante, sinalizadora de deflação, aceleradora do desemprego. Nesse contexto, se Ilan Goldfajn resolve se proteger do movimento de Trump, subindo os juros, reproduz a estória do cavalo inglês: dieta absoluta do animal que morre de fome, já está sem comer, graças à recessão temerista/meirellista.

Eleitoramente, tal contexto é desastre para governo e aliados. Se tenta resistir, sem aumentar as taxas, os especuladores, que não estão acreditando, de jeito nenhum, na terapia do congelamento neoliberal, para recuperar investimentos, fogem para o dólar, como decidiram fazer os especuladores argentinos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A saída nacionalista-keynesiana, evidente, seria jogar parte das reservas cambiais na circulação, para elevar, relativamente, preços e reduzir, relativamente, salários, ao mesmo tempo em que reduz, também, relativamente, juros e dívidas do governo, dos empresários e dos consumidores. Trata-se do único movimento criador de expectativas capazes de despertar o espírito animal dos investidores.

Ou seja, o que Lula fez, em 2008, para fugir da crise da escassez de dólar, incrementando poder de compra, para bombear mercado interno, a partir do qual reequilibrou o sistema, cujo resultado foram aumento das reservas – o jogo do Japão, da China, dos próprios Estados Unidos, Europa, especialmente, Alemanha, o jogo de Putin, na Rússia, que garantiu reeleição folgada dele, mês passado etc. O jogo capitalista nacionalista social democrata.

Sem o desenvolvimento do mercado interno, como disse Ciro Gomes aos prefeitos, a dívida tem que ser financiada, diariamente, no hot money, transformando-se em fonte bombástica de déficit, que inviabiliza o capitalismo tupiniquim.

Aí ficam os comentaristas neoliberais da grande mídia oligopolizada dizendo que o problema são os gastos sociais excessivos, o déficit da previdência etc.

Demonizam a solução, para defender a anti-solução.

Fazem o jogo da Febraban, que quer abocanhar a Previdência, na bacia das almas.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email