Indicado para ministro da Defesa de Lula, em 2015 Múcio ajudou no impeachment de Dilma

"Quando o TCU julgou as contas de Dilma, o então ministro José Múcio Monteiro votou contra uma presidente eleita pelo voto popular", lembra Paulo Moreira Leite

www.brasil247.com - O presidente do TCU,  José Mucio Monteiro
O presidente do TCU, José Mucio Monteiro (Foto: Agência Brasil)


Por Paulo Moreira Leite

Entre os votos que alimentaram o golpe de 2016, quando Dilma Rousseff teve o mandato cassado sem provas, encontra-se José Múcio Monteiro, cotado para ocupar o Ministério da Defesa no terceiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva. 

Ex-deputado, nomeado ministro de Relações Institucionais entre 2007 e 2009, no segundo mandato de Lula, a seguir Múcio tornou-se ministro do TCU, também indicado por Lula. 

E aí ocorreu um fato lamentável. Em outubro de 2015, quando o tribunal julgou as contas de Dilma, ponto de passagem para que o pedido de impeachment fosse apresentado ao Congresso, numa operação política promovida pelo PSDB com ajuda dos barões da economia, Múcio encontrava-se no plenário -- e votou contra uma presidente eleita pelo voto popular.

"Não é uma decisão fácil", admitiu José Múcio, quando os jornalistas queriam entender o voto contra Dilma. "Mas foi tratada com voto calcado no relatório de 14 técnicos do tribunal, que se debruçaram sobre isso durante um ano. De maneira que não é um voto político, mas um voto técnico”, completou. “As contas estavam irregulares.” (Estado de S. Paulo, 8/10/2015). 

Sete anos mais tarde, o caráter "técnico" das denúncias contra Dilma se dissolveu em revelações vergonhosas sobre a Lava Jato e seus múltiplos braços auxiliares, envolvidos numa trama lamentável contra o Estado de Direito e a soberania popular. A operação que abriu caminho à extrema-direita de Jair Bolsonaro teve início ali, preparando a vergonhosa sessão do Congresso que afastou uma presidente eleita enquanto saudava um coronel condenado por tortura. 

Como o TCU tomou sua decisão por unanimidade -- sob aplauso histérico da imprensa golpista -- pode-se até argumentar que um voto contrário não faria diferença. Engano. Em 2015, o caráter "unânime" da decisão foi de grande serventia para sustentar a retórica do golpe, abafando irregularidades que mais tarde viriam a público. 

Sete anos mais tarde, o voto de 2015 pode indicar dificuldades para resistir a pressões inevitáveis na cadeira de Ministro da Defesa, cujo titular será encarregado de lidar com subordinados que comandam tropas, fuzis e canhões. Não é um cenário tranquilizador.

Alguma dúvida?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247