Indiciamento de Haddad será parte de um plano para barrar nomes do PT?

"O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, é um dos nomes cogitados como candidato alternativo do PT a presidente, caso triunfe o golpe do tapetão judicial contra o ex-presidente Lula. O outro é o ex-ministro e ex-governador Jacques Wagner.  A inconsistência do indiciamento de Haddad pelo delegado João Luiz de Moraes Rosa, que o acusa de ter recebido recursos de caixa dois da empreiteira UTC para sua campanha de 2012, incita a dúvida sobre seu objetivo político. Estará em curso um plano maior para inviabilizar candidatos do PT a presidente?", questiona a colunista Tereza Cruvinel

haddad lula
haddad lula (Foto: Tereza Cruvinel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, é um dos nomes cogitados como candidato alternativo do PT a presidente, caso triunfe o golpe do tapetão judicial contra o ex-presidente Lula. O outro é o ex-ministro e ex-governador Jacques Wagner.  A inconsistência do indiciamento de Haddad pelo delegado João Luiz de Moraes Rosa, que o acusa de ter recebido recursos de caixa dois da empreiteira UTC para sua campanha de 2012, incita a dúvida sobre seu objetivo político. Estará em curso um plano maior para inviabilizar candidatos do PT a presidente?

O crime de que o ex-prefeito é acusado tem gravidade menor, e dificilmente haverá tempo para uma condenação em duas instâncias que o impeça de ser candidato a qualquer cargo este ano (embora ele já tenha anunciado que não será candidato).   Ainda assim, carimbá-lo como “corrupto” agora, às vésperas do julgamento do recurso de Lula,  traz danos políticos importantes para a estratégia eleitoral do PT que, mesmo dizendo não ter plano B, não pode deixar de ter alternativas para o pior dos cenários.  Nele, se condenado, Lula usaria o peso de sua popularidade como cabo eleitoral de outro nome do partido.  Nada que venha da Lava Jato pode ser visto de forma inocente: tudo neste indiciamento sugere que ele tem um objetivo político concatenado com o esforço para inabilitar Lula e impedir que o PT ou qualquer força de esquerda volte a governar o país.

Em junho do ano passado a Polícia Federal cumpriu mandatos de busca e apreensão em São Paulo, São Caetano e Praia Grande, alcançando, entre outros investigados, o ex-deputado estadual petista Francisco Carlos de Sousa, o Chicão. Em depoimento posterior, ele admitiu ter recebido recursos da UTC para o pagamento de despesas das campanhas municipais do partido de 2012 mas não citou a campanha de Haddad como beneficiária. Pelo contrário, negou categoricamente que isso tivesse acontecido, pois a PF já insistia nesta hipótese.

Haddad,  em sua nota de protesto contra o indiciamento, aponta a total ausência de elementos que justifiquem a decisão do delegado. O dono da gráfica acusada negou que tenha recebido recursos da UTC para quitar dívidas da campanha do ex-prefeito.  Em sua gestão, antes ainda da suposta doação, a única obra da UTC na prefeitura foi suspensa, o que suprime qualquer motivação da empreiteira para realizar doações ocultas em troca de facilidades. O delegado desconsiderou estas duas  alegações importantes e foi em frente. O juiz Sérgio Moro faz escola com a prática de ignorar provas e argumentos da defesa e por isso Lula disse achar que ele é surdo.

Aberto o inquérito, e com Haddad indiciado,  as investigações devem ser aprofundadas, podendo resultar em arquivamento ou denúncia.  Mas, quando isso acontecer,  ainda que venha o arquivamento, o ex-prefeito já terá sido estigmatizado pela suspeita que agora é lançada contra ele. O objetivo político já terá sido cumprido, como já virou costume na guerra política em curso no Brasil.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247