Luiz Mandetta tem medo de peitar Paulo Guedes?

A ausência de infraestrutura urbana de saúde requer gastos públicos em grandes quantidades. As armações orçamentárias que Paulo Guedes articula para enfrentar o coronavírus não fazem nem cosquinha

Paulo Guedes, Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta
Paulo Guedes, Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A ausência de infraestrutura urbana de saúde requer gastos públicos em grandes quantidades. As armações orçamentárias que Paulo Guedes articula para enfrentar o coronavírus não fazem nem cosquinha. Grana curta, menos de R$ 150 bilhões. Milhões de pessoas atingidas, reconhece o ministro Luis Henrique Mandetta, vão ao mesmo tempo pressionar a carente infraestrutura sanitária brasileira. Colapso inevitável.

Diante dessa situação de clara insuficiência de oferta de saúde, o governo vai continuar falando em economia para não gastar e fazer ajuste fiscal, como quer o pessoal do Ministério da Fazenda?

Ou o país vai, logo, urgente, encomendar da China hospitais que podem ser montados e desmontados, como os chineses desenvolveram? Não seria a oportunidade para matar dois coelhos com uma só cajadada: garantir hospitais e técnicos de saúde para o povo, de um lado, e exportações de grãos para os chineses, de outro, aprofundando comércio bilateral?

O ajuste fiscal vai ganhar a narrativa sobre a demanda estatal para atender, urgentemente, o social?

De onde sairá o dinheiro?

O ministro Mandetta não aprofundou o debate ao ponto de falar sobre onde será necessário arranjar dinheiro para atender o social antes de satisfazer o interesse do mercado, como está acontecendo.

O governo continuará privilegiando o setor financeiro, nos gastos orçamentários, enquanto minguam os recursos para os setores sociais?

Como que pedindo desculpa a Guedes, Mandetta, diante da situação dramática do setor de saúde, disse que agirá com responsabilidade, na questão financeira. O que isso significa?

Sintonizar com a demanda de Guedes, que trabalha para o mercado, ou com a da população, que não quer saber de perguntas, mas de respostas objetivas, que requerem aumento de gastos?

Chegou, portanto, a hora fatal de discutir o maior gargalo da economia: congelamento dos gastos sociais por 20 anos e mandamento constitucional, como cláusula pétrea, para garantir pagamento do serviço da dívida, quando todas as demais categorias sociais reclamam renegociações de suas dívidas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247